Procuram-se jovens arquitetos brasileiros

Premiação rende mostra e viagens a vencedores
  (Foto: Divulgação)
Em busca de reconhecer os jovens talentos da arquitetura brasileira contemporânea, o Instituto Tomie Ohtake se uniu à marca de revestimentos AkzoNobel para criar a primeira edição do Prêmio de Arquitetura AkzoNobel. A partir desta quarta-feira, dia 28, até 8 de setembro, profissionais da área poderão inscrever seus projetos já executados para concorrer à láurea. Os trabalhos serão selecionados por um júri e os melhores receberão um catálogo publicado e participarão de uma exposição, que acontecerá no início de 2014. Os três primeiros colocados também vão ser contemplados com viagens internacionais.

Podem se inscrever arquitetos brasileiros ou estrangeiros que residam no Brasil há mais de dois anos e tenham até 40 anos de idade. O edital completo com todas as regras para participação estará disponível no site da instituição a partir desta terça-feira, dia 27. Fique ligado!

  (Foto: Divulgação)

Fonte: Casa Vogue

Seis móveis e acessórios luxuosos

A mesa Cor, de Juliana Llussá, a cama comemorativa da Auping, o livro sobre a obra de Álvaro Siza e outras novidades.

Com estrutura de fibra de vidro e acabamento de laca, a cadeira Bloo (0,50 x 0,50 x 0,77 m) pode ter o assento revestido de tecidoou couro. Por isso, o preço varia a partir de 1 817 reais. Criada pelo designer Marcelo Ligieri exclusivamente para a COD.

Constraste arrojado. A mistura de linhas retas nos pés com o tampo arredondado cria um ar despojado para esta mesa desenhada pela designer paulistana Juliana Llussá. A Cor foi confeccionada com madeira cumaru e mede 2,40 x 1,20 x 0,70 m. Pode ser encontrada na Llussá Marcenaria por 15 625 reais.

Arte brasileira. Inspirada na arte marajoara, a coleção Damascos, desenvolvida pela Jayme Bernardo Design em parceria com a 6F Decorações, é composta de garden seats, centros de mesa, vasos e potes, como o Potiche. Além de verde, a peça está disponível em amarelo e vermelho. À venda na L’oeil por 779 reais.

Sono personalizado. Para comemorar os 125 anos da marca, a Auping | Collectania lançou a Royal Auping. A novidade está no  sistema da zona de conforto na altura dos ombros, que é ajustada automaticamente durante o sono, melhorando a postura ao dormir. A cama custa a partir de 61 600 reais.

Edição limitada. A Firma Casa trouxe ao Brasil a poltrona Lounge Chair Maserati, inspirada no modelo Quattroporte da fábrica de automóveis italiana. Desenhada pela dupla de arquitetos Ludovica e Roberto Palomba, a peça, com estrutura de aço inoxidável, foi produzida em tiragem limitada pela Zanotta. Preço sob consulta.

Elegância curva. Com formas sinuosas esculpidas em cobre e madeira, o pendente Orient foi desenhado pelo designer dinamarquês Jo Hammerborg. Fabricado pela empresa Lightyears e vendido no Brasil pela Scandinavia Designs, o menor custa 1,7 mil reais e o maior, 2,6 mil reais.

Resina colorida. Os bowls Cloud trazem um toque solar e divertido para a decoração. Feitos de resina de várias cores, são da marca australiana Dinosaur Design e assinados pela dupla de designers Louise Olsen e Stephen Ormandy. À venda na Benedixt, o pequeno sai por 249 reais e o grande, 953 reais.

Fonte: Casa Abril

Hoje comemoramos o dia do Corretor de Imóveis.

A profissão surgiu no século XX, quando o desenvolvimento das cidades fez com que a comercialização de imóveis, por intermédio dos anúncios em jornal, se tornasse constante, passando a existir como forma de vida, como profissão.
O Corretor de Imóveis nessa época era conhecido como agente imobiliário.

O nascimento da categoria ocorreu na década de 30, durante o governo de Getúlio Vargas, quando foram criadas as primeiras leis trabalhistas.

Nos anos 40 os Corretores de Imóveis faziam parte de uma categoria organizada e reconhecida por toda a sociedade.

Os anos 80 foram marcados pela solidificação e organização da profissão do Corretor de Imóveis em todo o Brasil.

Fonte: Tecnisa por Gislene Lopes

Divisória flexível

Versáteis, os painéis deslizantes integram ou separam ambientes com a maior facilidade. Confeccionados sob medida, exibem diferentes tamanhos e materiais, de acordo com o projeto.
Inspire-se nesses modelos!
 (Foto: Edu Castello/Casa e Jardim)(Foto: Edu Castello/Casa e Jardim)
 (Foto: Edu Castello/Casa e Jardim)(Foto: Edu Castello/Casa e Jardim)

Três em um
Para aumentar a sala, o morador deste apartamento decidiu abrir o quarto extra. Mas queria ter a opção de fechá-lo para receber hóspedes com privacidade. “Instalamos quatro painéis laqueados de 1,40 m cada um. Uma parte do lado direito é fixa. As demais correm em trilhos embutidos no gesso”, diz a arquiteta Carolina Razuk, do escritório Lucchesi & Razuk Arquitetura + Interiores. “Além de ampliar a sala e fazer as vezes de quarto, funciona como home theater e escritório”, explica ela. As portas de correr foram feitas pela marcenaria Deneto. Tapete e almofadas, da By Kamy.

 (Foto: Edu Castello/Casa e Jardim)(Foto: Edu Castello/Casa e Jardim)

Iluminação dividida
Uma porta comum iria atrapalhar a circulação e a entrada de luz natural da cozinha para a copa, que não tem janela. A ideia das arquitetas Juliana Serra e Marila Spagnuolo, do Serra & Spag Arquitetura e Interiores, foi aumentar o vão entre os ambientes e instalar uma porta de correr de 1,40 m. O interessante é o rasgo de 1 x 0,30 m com vidro que elas criaram na alvenaria e no painel de madeira laqueado, feito pela marcenaria Stabilitá. “A copa é iluminada mesmo se a porta estiver fechada”, afirma Juliana. Puxador, da ArqShop. Fruteira, da Alessi.

 (Foto: Fotos Edu Castello)(Foto: Edu Castello/Casa e Jardim)

 (Foto: Fotos Edu Castello)

(Foto: Edu Castello/Casa e Jardim)

Unidade ideal
O desejo dos moradores desse apartamento era expandir a sala de jantar para acomodar mais convidados sentados, mas sem abrir mão da privacidade da copa no dia a dia. A solução foi substituir a parede pela porta de correr. “Com duas folhas de MDF de 1,20 m de largura cada uma, ela tem pintura gofrato cinza (cor S168, da Sayerlack), que dá acabamento fosco e é mais fácil de limpar”, diz o arquiteto Luciano Dalla Marta, do LDM Arquitetura. Quando as folhas estão abertas, é possível juntar as mesas que são do mesmo modelo, assim como os lustres.

 (Foto: Fotos Edu Castello)(Foto: Edu Castello/Casa e Jardim)
 (Foto: Fotos Edu Castello)(Foto: Edu Castello/Casa e Jardim)

Mais praticidade
Para levar a luz natural que entra pela janela da cozinha até a copa, a designer de interiores Cristina Barbara removeu a parede que havia entre os dois cômodos. No lugar, ela colocou três painéis deslizantes de vidro serigrafado Dolomiti, da Cinex. Cada um tem 98 cm de largura. Isso criou a possibilidade de separar os ambientes. “Quis esse material para deixar o espaço mais leve e por ser fácil de limpar, já que está na cozinha”, explica Cristina. “Preferi o tom branco acinzentado para dar privacidade e, ainda assim, permitir a passagem de luz”, acrescenta.

 (Foto: Fotos Edu Castello)(Foto: Edu Castello/Casa e Jardim)
 (Foto: Fotos Edu Castello)(Foto: Edu Castello/Casa e Jardim)

Mistura improvável
A arquiteta Crisa Santos eliminou as paredes entre a cozinha e a sala de jantar para criar um espaço amplo com ambientes contínuos neste apartamento. “Rente à ilha com o fogão, instalei uma porta de correr para dar a opção de fechar a área”, conta Crisa. Executado pela Mobília Brasil, as três folhas de 2,20 m cada uma – sendo duas móveis – têm faces diferentes: o lado da cozinha é revestido de Formica, para facilitar a limpeza, e o outro possui ripas de freijó e faixas de papel de parede, da Wallpaper. Pratos, Tok & Stok. Demais objetos, da Benedixt.

Fonte: Revista Casa e Jardim – Texto Stéphanie Durante – Repórter de imagem Mario Mantovanni – Fotos Edu Castello

Crédito imobiliário contratado da Caixa cresce 41,5% em 2013

Caixa Econômica Federal teve 85,2 bilhões de reais em contratações de crédito imobiliário no ano até a primeira quinzena de agosto

Caixa Econômica FederalCaixa Econômica Federal:  expectativa é que o financiamento da casa própria pela instituição ultrapasse R$130 bilhões

São Paulo – A Caixa Econômica Federal teve 85,2 bilhões de reais em contratações de crédito imobiliário no ano até a primeira quinzena de agosto, avanço de 41,5 por cento em relação ao mesmo período de 2012, informou o banco estatal nesta sexta-feira.

Para este ano, a expectativa é que o financiamento da casa própria pela instituição ultrapasse 130 bilhões de reais.

Até a primeira quinzena de agosto, a Caixa assinou 1,145 milhão de contratos de habitação. Do total aplicado, 50,06 bilhões de reais foram destinados para a compra de imóveis individuais. Outros 35,18 bilhões de reais foram para financiamento à produção de unidades imobiliárias.

Fonte: Revista Exame – Natalia Gómez, da