Confira dicas para melhorar sua performance como corretor de imóveis

Confira dicas para melhorar sua performance como corretor de imóveis

Todo o profissional passa em algum momento da sua carreira, por fases “complicadas”, onde as dúvidsa de continuar ou não na profissão se somam aos problemas do cotidiano. Nesse clima de desistir, muitos corretores de imóveis partem para novos caminhos. Se você está encontrando dificuldades na profissão confira dicas para continuar e melhorar sua performance como corretor de imóveis:

1-       Tenha foco no trabalho. Se você escolheu seguir na profissão, analise em quais aspectos você tem acertado e em quais deve melhorar ainda. Converse com outros profissionais para incorporar novas técnicas no seu atendimento. Dedicação é importante, sem dedicação não há retorno.

2-      Estruture suas finanças. Como profissional autônomo e liberal, você deve ter um controle maior dos seus ganhos e gastos. Procure colocar em uma planilha o planejamento de gastos do mês, sem nunca se esquecer de guardar um dinheiro extra para os meses onde as negociações podem ser fracas.

3-      Quem não é visto não é lembrado. Além de participar dos plantões em lançamentos, disponha suas placas em imóveis da cidade e faça anúncios nos classificados de jornais . É importante que você invista também em um site imobiliário, pois hoje 89% das pessoas que estão pensando em comprar ou alugar um imóvel, pesquisam antes na internet. A empresa Imobex é lider de mercado de construção de sites para corretores de imóveis e atende clientes em todo o Brasil.

 A melhor dica e a de maior importância é: goste do que você faz. Entenda a importância que a profissão tem perante a sociedade.  Sinta orgulho de ser um corretor de imóveis e acima de tudo seja ético com seus colegas e clientes.

Fonte: comunidade Imobex

Cinco dúvidas sobre coifas

Tudo o que você precisa saber na hora de projetar sua cozinha, com dicas de especialistas no assunto
Quem tem cozinha aberta para a sala, como no projeto do arquiteto Max Gosslar, precisa de coifa com exaustor. Caso contrário, o cheiro de comida se espalhará pelos ambientes. Neste caso, o profissional embutiu o duto no teto de gesso e deixou o cano apare (Foto: Edu Castello/Casa e Jardim)

Além da decoração, a cozinha oferece outros desafios. Para o bom funcionamento dos eletrodomésticos, é preciso ter a estrutura correta. A coifa, por exemplo, costuma ser especialmente complicada. São comuns dúvidas sobre a sua instalação, que pode exigir um duto com saída para a janela, muitas vezes com quebra-quebra envolvido. Mas nem pense em desistir! O aparelho é fundamental na hora de preparar os alimentos e é ainda mais importante para quem tem cozinha integrada – afinal, você não vai querer cheiro de comida na sala. Para resolver todas as questões ligadas à temida coifa, Casa e Jardim procurou especialistas da Whirlpool Latin America, dona das marcas Brastemp e Consul. O arquiteto Robert Robl complementou as respostas e deu dicas de como exibi-la com muito estilo. Confira:

Para ter uma coifa é preciso quebrar a parede?
Depende. A coifa pode funcionar de dois jeitos: no modo exaustor ou depurador. No primeiro, o ar quente é levado para fora do ambiente e o aparelho traz ar frio e fresco do exterior. Já no segundo, ela simplesmente suga o ar, filtra e o devolve, por isso não é necessário um duto. O arquiteto Robert Robl considera que vale a pena encarar a reforma caso você cozinhe muito ou se o ambiente for aberto para a sala. Normalmente, é necessário rebaixar o teto com gesso para esconder o cano. Você também precisará estudar bem onde será a sua saída. Mas, se a cozinha não for integrada e tiver boa ventilação, você pode se livrar do quebra-quebra. “O exaustor não é um item primordial, a não ser que você faça fritura todos os dias. O depurador basta neste caso”, explica o profissional.

Meu fogão fica na parede. Posso ter coifa? Ou é apenas para quem tem ilha?
Há opções no mercado para as duas situações. A coifa pode ficar encostada na parede ou fixada no teto.

A coifa é exibida como peça de design. Projeto da arquiteta Maricy Borges (Foto: Edu Castello/Casa e Jardim)

Preciso chamar um profissional para instalar a minha coifa?
Caso o eletrodoméstico seja utilizado no modo exaustão, sim. É preciso planejar a instalação do duto para a saída do ar, que tem 15 cm de diâmetro. Alguns fabricantes oferecem a instalação do produto até a laje do teto da cozinha. Dali até a janela, a responsabilidade é do proprietário.

Qual a distância ideal entre a coifa e a superfície do fogão ou cooktop?
Para garantir o funcionamento correto, a distância deve ser de 65 cm. Além disso, para que não haja perda de eficiência de sucção, a coifa deve ter a mesma largura que o fogão ou o cooktop. Se a distância indicada nos manuais de instruções dos eletrodomésticos for diferente, respeite a que for maior.

Como integrar a coifa à decoração da cozinha?
O arquiteto Robert Robl diz que hoje existem várias opções de eletrodomésticos bonitos. Por isso, não tente “esconder” a coifa. Vale até assumir o duto, para não ter que rebaixar o teto com gesso. “Se o projeto tiver uma estética industrial, é uma boa opção”, conta. Mas daí é necessário investir em um cano bonito. “Quanto mais design estas peças têm, mais caras elas são. É preciso tomar cuidado com os preços”, alerta o profissional.

Fonte: Casa e Jardim por Maria Silva Ferraz

Secovi estima que mercado imobiliário desacelere em SP

Após uma alta de 50% nos lançamentos no 1º semestre, setor deve sentir o impacto do ritmo fraco da economia

SÃO PAULO – O mercado imobiliário da capital paulista deve passar por uma desaceleração no ritmo de crescimento até o fim do ano, segundo estimativas de Cláudio Bernardes, presidente do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP). “O primeiro semestre foi surpreendente, com crescimento de quase 50% nos lançamentos. Lógico que não vamos manter esse ritmo. Vamos ter uma acomodação, até por conta do andamento da economia”, projetou.

Bernardes acrescentou que o estoque de imóveis na capital paulista está no patamar de 18 mil unidades, nível histórico e considerado confortável. Já em relação ao andamento da economia, o presidente do Secovi-SP estimou melhora em 2014, com possíveis incentivos do governo federal para o setor. “A economia deve ir razoavelmente bem, mesmo que com incentivos artificiais”.

Fonte: Circe Bonatelli, da Agência Estado

Prédio de Nouvel terá maior jardim vertical

Paisagismo de Patrick Blanc sobe a 166 metros

  (Foto: divulgação)

O condomínio residencial One Central Park, cuja construção acaba de entrar em fase final em Sydney, promete contar com o maior e mais alto jardim vertical do mundo. Ao todo, 166 metros de fachada de um edifício e 64,5 metros da fachada do outro serão cobertos por 190 tipos de plantas australianas e 160 espécies vegetais exóticas. A extravagância é fruto da mente do botânico francês Patrick Blanc, inventor do conceito de jardins verticais (e que há 30 anos trabalha com eles). Blanc foi chamado por seu conterrâneo Jean Nouvel, autor do projeto e um dos top arquitetos que o mundo possui hoje.

“O edifício, junto com o jardim vertical, parecerá flutuar no ar – o resultado do projeto será especial; novo para o cenário de Sidney”, diz Blanc. Fica fácil imaginar o impacto do paisagismo, se pensarmos em termos numéricos. Ao todo, o verde deverá recobrir 50% da área de fachada do complexo multifuncional, que além das duas torres residenciais – que oferecem 624 apartamentos – possui nos níveis inferiores lojas, cafés, restaurantes e unidades comerciais. “A vegetação deve ser uma extensão do verde do parque, que fica próximo dali”, explica Nouvel.

Não bastasse o jardim, o prédio alto terá também, perto do topo, alguns andares projetados “para fora”, ou em balanço, no jargão arquitetônico. Além de abrigar 38 habitações diferentes, o elemento “suspenso” sustenta inúmeros espelhos motorizados, cuja função será direcionar a luz solar, levando vida às plantas que ficam em locais menos privilegiados. Quando cai a noite, o balanço passará a exibir uma instalação artística de LED de Yann Kersalé.

O empreendimento deverá ser entregue em janeiro de 2014.

  (Foto: divulgação)

  (Foto: divulgação)

  (Foto: divulgação)

  (Foto: divulgação)

  (Foto: divulgação)

Fonte: Casa Vogue

Imóveis comerciais de luxo se espalham por diversas capitais

O luxo não está apenas nos imóveis residenciais. Agora, imóveis comerciais também têm apresentado uma diferenciação, para agradar um público extremamente exigente e que está disposto a pagar pelo que houver de melhor.

Só no ano passado foram entregues 802 mil metros quadrados de escritórios de luxo, nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Brasília, Salvador, Porto Alegre, Vitória e Recife. Alta de 60% em comparação com 2011.

Quem investe nestes imóveis são, em geral, empresários que tem dinheiro e um escritório, mas querem mudar para um espaço maior e melhor. Investidores também compram estas salas comerciais para alugar para um público específico e diferenciado. E o preço dos aluguéis? O valor médio atual é de R$ 126,50 por m², alta de 14% em relação aos anos anteriores.

O luxo já começa pela localização. Até recentemente, não havia uma única unidade disponível para locação na Avenida Paulista. Hoje, com a inauguração de um empreendimento que ocupa uma área bem grande, existe 20,2% de desocupação. As áreas mais valorizadas em São Paulo, além da Paulista, são Barra Funda, Vila Olímpia, Berrini, Chácara Sto. Antônio, Faria Lima, Itaim, Marginal e Roque Petroni, onde têm sido construídos vários empreendimentos comerciais de alto padrão.

A região mais cara é a da Avenida Faria Lima, onde o preço médio de locação é de R$209, 00. Quem quiser alugar 50 m2, terá de pagar R$10450, 00. Outra área em que estão surgindo empreendimentos deste tipo é a de Alphaville. Como a disponibilidade de espaço na capital é pequena, não é grande a oferta de empreendimentos comerciais novos. Muitas empresas estão preferindo se transferir para lá, onde já há uma boa infra-estrutura e onde a distância com a capital não é muito grande.

Os diferenciais oferecidos por estes imóveis luxuosos são: boa localização, com proximidade a grandes avenidas (e, portanto, em regiões de escritórios e comércio, o que é bom para os negócios), proximidade ainda com meios de transporte público, o que facilita o acesso dos funcionários; projetos flexíveis dos escritórios e que privilegiam espaços amplos, com arquitetura mais moderna, possibilitando diversas adaptações de acordo com diferentes necessidades; infra-estrutura completa, grande quantidade de vagas de garagem; acabamentos de altíssima qualidade, entre outros.

Para vender estes imóveis, antes de mais nada, é preciso destacar a localização privilegiada, mostrando a proximidade com outros prédios de escritórios, grandes avenidas e rede de transporte. Outro fator importante é fazer um atendimento personalizado, já que este público exige o melhor tratamento e paga por isso.

Ressaltar os serviços que o prédio oferece é básico. Muitos prédios de escritórios, por exemplo, oferecem agora área de lazer para crianças, possibilitando que funcionários levem crianças pequenas. É bom observar este tipo de característica. Mostre que o projeto é flexível, que podem ser feitas subdivisões, de acordo com o número de empregados ou que paredes podem ser derrubadas ampliando espaços. Dê destaque para o acabamento, fale que o piso é de qualidade, assim como metais dos banheiros, etc.

O importante é sempre mostrar o que os imóveis têm de melhor.

Fonte: Blog Sou corretor de imóveis