Começa a valer hoje novo limite para compra de imóveis com o FGTS

24_corretor

Começa a valer hoje (20) a resolução do Conselho Monetário Nacional (CMN) que aumentou o limite máximo do valor dos imóveis novos adquiridos por meio do Sistema Financeiro de Habitação (SFH). Até 31 de dezembro deste ano, os mutuários poderão financiar imóveis de até R$ 1,5 milhão, utilizando recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Os financiamentos do SFH cobram juros menores que os demais financiamentos do mercado, de até 12% ao ano. Acima desses valores, valem as normas do Sistema Financeiro Imobiliário (SFI), com taxas mais altas e definidas livremente pelo mercado.

Essa foi a segunda elevação do limite nos últimos três meses. Em novembro, o CMN tinha reajustado o teto de financiamento de R$ 650 mil para R$ 800 mil, na maior parte do país, e de R$ 750 mil para R$ 950 mil no Distrito Federal, em Minas Gerais, no Rio de Janeiro e em São Paulo. O novo teto de R$ 1,5 milhão valerá para todas as regiões do país.

Em nota, o Ministério do Planejamento informou que a medida ampliará o acesso da população às taxas de juros mais baratas e possibilitará a movimentação dos recursos das contas vinculadas do FGTS para o pagamento das prestações.

Fonte: IstoÉ

Para setor imobiliário, teto do FGTS não trará lançamentos

24_mercadoimob

O novo teto para financiar imóveis com o FGTS, de R$ 1,5 milhão, vai ajudar as incorporadoras a diminuir o estoque de unidades, mas não resolverá os gargalos do setor, segundo diretores de empresas do segmento.

Novos lançamentos só vão acontecer se houver mudança na maneira como os distratos (desistência de transação) são tratados pela Justiça, diz Emílio Fugazza, diretor financeiro da Eztec.

Compradores que desistem de contratos arcam com custos que variam de 10% a 20% dos valores desembolsados, de acordo com o preço do imóvel em transação.

“Precisamos vender o estoque, e as novas regras do SFH (Sistema Financeiro Nacional) ajudam, mas lançamentos, que geram empregos, dependem de uma solução para o distrato.”

Imóveis cujos valores estão entre R$ 950 mil e R$ 1,5 milhão, que, agora, podem contar com recursos do SFH, representam cerca de 11% do estoque da Cyrela, diz o diretor de relações com investidores, Paulo Gonçalves.

É a terceira faixa com mais unidades em estoque, segundo ele. A nova medida, que vale até o fim de 2017, vai impulsionar negócios nos locais onde o metro quadrado é mais alto, casos de São Paulo e Rio de Janeiro afirma.

“Há casos de pessoas que moravam de aluguel porque fazia mais sentido econômico, mas que têm renda para comprar apartamentos de valores mais altos. Se elas possuem FGTS, podem usar como entrada”, diz o executivo.

Fonte: Folha de São Paulo

As três mulheres ‘excepcionais’ que ajudaram a desenhar a paisagem de São Paulo

24_arquiteturaPainel de Aço no Instituto Tomie Ohtake – obra com 45 metros de altura e 10,80 metros de largura.

O paisagismo e a arquitetura brasileiros costumam ser lembrados pelo trabalho de homens como Oscar Niemeyer (1907 – 2012) e Roberto Burle Marx (1909 – 1994). Muitas mulheres, contudo, ajudaram a desenhar prédios, lugares e paisagens mundialmente famosos, como o MASP – Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand – um dos principais cartões postais da capital paulista.
“As mulheres no Brasil, à semelhança do que ocorreu em toda a América Latina, começam a contribuir mais efetivamente para a arquitetura em torno da década de 1940. Na maior parte das vezes, atuaram em parceria com seus colegas homens, mas essa contribuição é pouco conhecida porque os nomes delas foram omitidos ou desconsiderados na atribuição da autoria dos projetos”, explica a professora do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Ana Gabriela Godinho Lima.

Em São Paulo, maior cidade da América Latina, três mulheres ajudaram a projetar os principais espaços públicos: a arquiteta Lina Bo Bardi, a artista plástica Tomie Ohtake e a urbanista Rosa Kliass.

“A força plástica da presença das obras de Tomie Ohtake e Lina Bo Bardi em São Paulo, somadas aos projetos paisagísticos de Rosa Kliass, formam um roteiro maravilhoso da história da cidade de São Paulo”, explica Lima.

24_arquitetura1
Painel da Ladeira da Memória, no Vale do Anhangabaú, no centro de São Paulo.

Além da importância do ponto de vista da arquitetura e urbanismo, a pesquisadora afirma que estas três mulheres e suas obras ajudam a descrever a diversidade cultural de São Paulo.

“Tomie Ohtake, de origem japonesa, nasceu em Quioto em 1913, naturalizou-se brasileira e faleceu em São Paulo em 2015. Lina Bo Bardi, nasceu em Roma em 1914, naturalizou-se brasileira em morreu em São Paulo em 1992. Rosa Grena Kliass, nascida em São Roque e formada em 1955 na FAU – USP, é uma representante da comunidade judaica. As três formam, portanto, um trio que representa muito da história e cultura paulistana”, conta.

24_arquitetura2
Escultura vermelha e prata da Av Paulista. Em aço carbono, a escultura mede 8,5m de altura e pesa 7 toneladas.

Mulheres “excepcionais”

Lima explica que profissionais que ganharam protagonismo na projeção de construções públicas, como a arquiteta Lima Bo Bardi – que se tornou um marco internacional na arquitetura de museus com a construção do MASP – foram chamadas pela academia como “excepcionais”.

“O papel de ‘arquiteta excepcional’ foi identificado em primeiro lugar pela pesquisadora americana Gwendolyn Wright e dá conta de explicar como essas mulheres, à custa de renúncias pessoais, como a constituição de uma família, ter filhos etc, alcançaram grande projeção e prestígio”.

24_arquitetura3
Escultura em Aço Carbono em Frente ao Edificio Berrini – projeto de Tomie Ohtake.

A pesquisadora lembra que muitas dessas profissionais “excepcionais” tiveram seu protagonismo ignorado por anos. Um exemplo é a engenheira Carmem Portinho, que ajudou no Projeto do Conjunto Residencial Prefeito Mendes de Moraes, conhecido por “Pedregulho” (1947), e no Museu de Arte Moderna (1952), ambos no Rio de Janeiro. “A autoria de ambos projetos foi atribuída, por muitas décadas, apenas a Affonso Eduardo Reidy. Até hoje é possível encontrar textos recentes que não reconhecem o papel de Portinho na concepção destas duas obras”, informa Lima.

A construção do maior aterro do mundo, o Parque do Flamengo, inaugurado em 1965 no Rio de Janeiro, teve a participação de Maria Carlota Costallat de Macedo Soares que, segundo Lima, também teve seu protagonismo ignorado na arquitetura.

Apesar do pouco reconhecimento na arquitetura das cidades, algumas “excepcionais” conseguiram ter seu protagonismo valorizado: em 1997, uma das obras de Tomie Ohtake dedicadas a homenagear a imigração japonesa no Brasil foi inaugurada pelo próprio imperador japonês Akihito e imperatriz Michiko; em 2016, o conjunto arquitetônico do Sesc Pompeia, na Zona Oeste de São Paulo, projetado por Lina Bo Bardi, foi eleito pelo jornal britânico The Guardian a sexta melhor construção do mundo.

24_arquitetura4
Conjunto arquitetônico do SESC Pompéia por Lina Bo Bardi.

Roteiro pelas construções de mulheres em São Paulo

A reportagem da BBC Brasil visitou as principais obras públicas de Bo Bardi, Ohtake e Kliass que ajudam a contar a história da cidade de São Paulo no século 20 e montou o roteiro abaixo.

– Construções de Lina Bo Bardi

24_arquitetura5
A casa em que morou a vida toda, Casa de Vidro, no Morumbi, foi a primeira construção de Lina Bo Bardi.

A italiana Lina Bo Bardi se mudou para o Brasil em 1946, com o final da Segunda Guerra Mundial, à procura de um país onde não se destruía, mas se construía. Tornou-se mundialmente famosa por projetar espaços voltados às artes em São Paulo.

MASP: Construído na década de 1960, Lina projetou o MASP, localizado na Avenida Paulista, a convite do jornalista Assis Chateaubriand. Vários de seus objetos pessoais, como parte da sua biblioteca particular, pertencem hoje ao acervo do museu. O prédio é tombado pelo Iphan.

Teatro Oficina: Além do MASP, Bo Bardi ajudou a construir um dos principais e mais antigos teatros em funcionamentos do Brasil, o Teatro Oficina, no bairro do Bixiga. Amiga do diretor e ator Zé Celso, Lina, que também atuou como designer, ajudou a montar diversos cenários e figurinos do Teatro Oficina.

24_arquitetura6
A Casa de Vidro – Moradia Lina Bo Bardi e Pietro Maria Bardi por Lina Bo Bardi.

Casa de Vidro: A casa em que morou a vida toda, Casa de Vidro, no Morumbi, foi a primeira construção de Lina Bo Bardi, hoje museu dedicado à memória da arquiteta, o Instituto Bardi. A construção, cercada paredes de vidro sem parapeitos, é ícone da arquitetura moderna no Brasil. O jardim de 7.000 m2 da casa foi plantado pela própria Lina, assim como parte dos móveis também foram desenhados pela arquiteta. Construída em 1951, a Casa de Vidro também ajuda contar parte da história cultural do Brasil, pois reunia amigos de Lina como Glauber Rocha.

Conjunto arquitetônico do SESC Pompéia: inaugurado na década de 1980, é outra obra de Lina e tombada pelo Iphan. O prédio apareceu na lista do The Guardian como um dos 10 melhores prédios do mundo.

– Paisagens de Rosa Kliass

24_arquitetura7

Rosa Kliass, 84 anos, nascida no interior de São Paulo, foi a primeira arquiteta paisagista mulher do Brasil, sendo a criadora da Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas.

24_arquitetura8
Parque da Junvetude – Utilizando partes do antigo Carandiru – por Rosa Kliass

Na gestão do prefeito Faria Lima (1965-1969), ajudou a organizar o Departamento de Parques e Áreas Verdes da Prefeitura de São Paulo (Depave). Projetou as áreas verdes da Avenida Paulista (1973) e a sinalização das placas da avenida, revitalizou a paisagem do Vale do Anhangabaú (1981), no centro de São Paulo, e transformou a área que abrigava o Complexo Penitenciário do Carandiru em um dos principais parques públicos paulistanos, o Parque da Juventude, na Zona Norte (concluído em 2007).

– Obras de Tomie Otake

24_arquitetura9
Com esculturas e painéis gigantes, Tomie Ohtake se transformou em ‘ícone múltiplo’, segundo Paulo Miyada

Com esculturas e painéis gigantes, Tomie Ohtake ajudou a narrar a participação dos imigrantes japoneses na formação de São Paulo, mas não somente. Segundo o arquiteto e curador do Instituto Tomie Ohtake, Paulo Miyada, “No campo simbólico, Tomie Ohtake é reconhecida como ícone múltiplo, que contempla, a um só tempo: a singularidade da cultura nipo-brasileira desenvolvida no último século; a importância e ousadia das artistas mulheres na modernidade nacional; e o potencial inventivo de criadores que não cabem na alcunha de ‘jovens'”.

“Relembrar as obras de Tomie Ohtake é uma forma de identificar muitos dos espaços simbólicos que já tinham papel fundamental na vida na metrópole, como o centro histórico de São Paulo e a Avenida Paulista, e outros que ganharam mais e mais importância nesse período, como o Monumento à Imigração Japonesa na Avenida Vinte e Três de Maio e os painéis na linha verde do Metrô”, explica o curador.

Monumento à Imigração Japonesa – Localizado na Avenida 23 de Maio. São quatro faixas de 12 metros de concreto, em formato de ondas, que representam as gerações de japoneses que vieram para o Brasil.

24_arquitetura10
Monumento à Imigração Japonesa.

Painéis “As Quatro Estações”, localizados no metrô Consolação. Trata-se de um conjunto de quatro painéis de 2 metros por 15,40 metros.

24_arquitetura11
Painel no metrô Consolação.

Escultura vermelha e prata da Av Paulista – Em aço carbono, a escultura mede 8,5m de altura e pesa 7 toneladas.

24_arquitetura12Escultura vermelha e prata da Av Paulista.

Painel do Edifício Tomie Otake – Obra com 45 metros de altura e 10,80 metros de largura.

24_arquitetura13
Painel de Aço no Instituto Tomie Ohtake – obra com 45 metros de altura e 10,80 metros de largura.

Fonte: BBC 

Além de Miami: conheça as maravilhas da Costa Histórica da Flórida

22_miami

Quando começamos um novo ano, não é muito cedo para os pais olharem para seus calendários e considerar como converter sua semana de folga da escola em férias memoráveis com a família. Não apenas mãe, pai e filhos, mas avós, tios e primos também! Os brasileiros tem uma cultura de orgulho e valores familiares. Eles não viajam longe de suas famílias – eles viajam para eles e com eles. Quanto maior a festa, melhor!

A boa notícia é que em 2017 teremos muitos feriados para viajar! Serão mais de 10 datas entre feriados e pontos facultativos, ótima oportunidade para planejar férias em família. A Páscoa por exemplo, está logo aqui em Abril. Excelente mês para uma fuga a Costa Histórica da Flórida. Uma aventura ao ar livre; experiências culinárias, descoberta cultural. A diversidade dessa região não só satisfaz os gostos dos jovens e mais velhos, mas também cria laços de família e memórias para toda a vida!

Conhecimento: Jornada Cultural e Histórica

Faça uma viagem cultural e histórica na cidade mais antiga dos EUA e visite com a família o primeiro assentamento espanhol (Fonte da Juventude): comemorando a fundação de La Florida pelo explorador espanhol Ponce de Leon e sua lendária busca pela Fonte da Juventude. Arqueólogos descobriram que o parque é o local real do povoado espanhol original de St Augustine de 1565. A fé da vovó será rejuvenescida visitando o local da primeira celebração da missa santa – Mission Nombre de Dios. Os pequenos de todas as idades – especialmente os meninos – apreciarão imaginar-se como soldados enquanto pisam no interior do Castillo de San Marcos, o primeiro e mais antigo castelo de maçonaria dos EUA. Castillo de San Marcos foi construído pelos espanhóis para proteger suas frotas do tesouro dos ingleses e piratas. O castelo é a estrutura a mais velha atualmente de St Augustine além de ser um monumento nacional.

Benefícios para a família: Quando você viaja com a família, você percebe que poucas coisas são tão importantes quanto as pessoas que te amam. A segunda coisa mais importante é a apreciação de que sua família faz parte de uma comunidade maior e importante. Experimentar o destino onde a herança hispânica dos EUA nasceu e compartilhá-la com sua família permite que todos entendam como a cultura latina está presente neste país e como a comunidade hispânica moldou a alma forte desta nação.

Dica: Oportunidade perfeita para os avós falarem sobre suas raízes e compartilharem experiências com a família.

Relaxe: Hora de se Acalmar

Faz 500 anos desde que Ponce de Leon viu pela primeira vez as magníficas praias de St Augustine e Ponte Vedra, mas mesmo depois de quase cinco séculos elas continuam sendo uma atração importante na Costa Histórica da Flórida. Beleza, história e natureza intocada colocam Ponte Vedra Beach na lista da CNN das 22 praias imperdíveis dos EUA e St. Augustine Beach está entre as Top 10 Praias nos EUA segundo usuários do TripAdvisor. Quer se trate do primos e tios se divertindo ao sol, uma caminhada romântica pelos mares ou um dia de reflexão e relaxamento suave para os avós; Este é o melhor lugar para praia.

Onde ficar: Por mais de 80 anos, o AAA Five Diamond Ponte Vedra Inn & Club impressionou os visitantes com serviço superior à beira-mar, restaurantes de qualidade, um spa de classe mundial e instalações de tênis. O local oferece suítes com kitchenettes que estão mesmo na praia. Existem sete piscinas à beira-mar, incluindo uma piscina da família e uma para adultos apenas para quando os pais e tios precisarem de uma pequena pausa. The Sawgrass Marriott Golf Resort and Spa é ótimo para famílias também. Eles oferecem Villas com vários quartos, uma sala de estar e cozinha completa que podem ser alugadas por um longo prazo. Este resort de serviço completo oferece o melhor de todos os mundos, combinando acomodações contemporâneas, uma incrível variedade de opções gastronômicas, spa de classe mundial e 99 buracos de golfe de acesso privilegiado, cortesia do adjacente TPC Sawgrass.

O que fazer: Ponte Vedra é o lar do famoso THE PLAYERS Championship Stadium course – uma experiência obrigatória para os aficionados de golfe.

Benefícios para a família: Tire um tempo de folga. As famílias vivem em um mundo estressante. É hora de apertar o botão de pausa. As férias obrigam as pessoas a parar e cheirar as rosas. Desta forma, quando os membros da família retornam à vida diária, as baterias serão recarregadas e estarão prontas para enfrentar o mundo.

Dica: Reserve tempo para relaxar. Planejar um roteiro vagamente estruturado de atividades que toda a família possa desfrutar. Mas concorde em ter algum tempo todos os dias para relaxar.

Explore: Aventuras Ao Ar Livre

Se você está procurando atividades ao ar livre que podem satisfazer os membros da família de todas as idades, a Costa histórica da Flórida é garantia de emoção-e destino family friendly. Além das 42 milhas de praias; Aventuras ao ar livre irão dar a todos a abundância de histórias para compartilhar e lembrar quando voltarem para casa. As seguintes atividades são “paradas obrigatórias” quando estiver em St. Augustine:

• Flutue sobre jacarés e crocodilos na desafiante tirolesa Alligator Farm and Zoological Park

• Nade com golfinhos na Marineland Dolphin Adventure

• Tour de pesca guiado no Drum Man Charters

• Suba 219 degraus do St. Augustine Lighthouse e Maritime Museum

• Sobrevoe a cidade em um lindo modelo biplano Waco 1935

Benefícios para a família: Viajar como uma família, especialmente com os mais jovens, oferece a oportunidade para os “adultos” experimentarem atividades. Os jovens de coração são curiosos por natureza e prontos para experimentar coisas novas. Esta característica vai permitir que todos saiam de sua zona de conforto e participem da diversão!

Dica: Programe atividades com a rotina normal da sua família em mente. Bebês são geralmente mais ativos na parte da manhã, um momento em que os avós também estão para cima. Os adolescentes geralmente dormem tarde, por isso é melhor programar as coisas que eles mais querem ver ou fazer nas tardes ou à noite.

Descubra: Eventos de Primaveras e Festivais

Nos dias mais quentes, flores da primavera e árvores verdes florescem nos festivais para ajudar a inaugurar a temporada e trazer as famílias ao ar livre novamente. Os eventos da Costa Histórica da Flórida comemoram tudo, desde a história à culinária local, até arte e música.

Escondido nos pântanos de St Augustine está um dos locais mais importantes da história americana: a primeira comunidade negra livre e legalmente sancionada nos EUA. Participe da Founding of Fort Mose em 18 de março, que recria a proclamação estendendo a liberdade para o capitão Francisco Menéndez, seus companheiros milicianos e ex-escravos em 1738. Curta música sem parar no delicioso churrasco durante todo o fim de semana que é destaque na St. Augustine Francis Field durante o Rhythm and Ribs Festival (31 de março – 2 de abril).

Fundado em 1995, o festival cresceu de um pequeno festival de churrasco ao maior festival no condado de St. Johns. Já o Taste of St. Augustine (22 de abril) destaca o autêntico patrimônio culinário e da cultura da região, apresentando 30 novos restaurantes e estabelecidos favoritos. Experimente a culinária local e aprenda sobre a diversificada cultura culinária da área! Finalmente, Romanza Festivale of the Arts é de nove dias de eventos históricos, culturais e criativos que celebram todas as coisas de Santo Agostinho. De 5 a 14 de abril, a cidade mais antiga da nação estará repleta de shows de música e dança, eventos de história viva e passeios históricos, teatro ao vivo e muito mais.

Benefícios: Passe algum tempo em pequenos grupos. Antes de sair, é uma boa ideia discutir o que todo mundo quer fazer ou não fazer na viagem e agendar alguns compromissos. Dividir o grupo em grupos menores dará às famílias uma chance para momentos mais íntimos e individualizados.

Dicas: Famílias que podem se dividir em grupos menores têm mais para compartilhar quando se veem novamente, e cada pessoa tem uma visão diferente de férias no mesmo lugar. Misture e combine o tempo de qualidade com diferentes membros da família. Os pais podem estar com crianças enquanto os avós visitam uma galeria de arte ou um monumento histórico. Os avós também podem ter uma noite especial com os netos, enquanto os pais saem para um jantar romântico.

Fonte: Notícias ao Minuto

Primeiro hotel de luxo de Havana abrirá as portas este ano

21_luxo

RIO ­- O embargo econômico dos Estados Unidos ainda está de pé, mas o mercado de luxo parece estar se consolidando em Cuba. O primeiro hotel de luxo da capital Havana deve abrir as portas ainda em 2017, administrado pelo grupo suíço Kiempinski.

Batizado de Gran Hotel Manzana Kempinski La Habana, o cinco estrelas terá 246 quartos e funcionará em um prédio histórico, no centro antigo da capital cubana. O edifício La Manzana de Gómez começou a ser construído em 1890 e só foi concluído na década de 1910, quando se tornou o primeiro centro comercial do país, com mais de 500 lojas e escritórios espalhados por cinco pavimentos.

A fachada original e diversos aspectos arquetetônicos do prédio foram mantidos, como o pé-direito alto nos quartos e suítes. A decoração das habitações segue uma pleta com tons de branco e cinza, mas também toques com cores mais vibrantes, já que se trata de um hotel no Caribe. A suíte presidencial terá 1.600 metros quadrados.

Na cobertura, um terraço e uma piscina terão vista para La Habana Vieja, o centro histórico e colonial da cidade. Entre os marcos nos arredores estão o Edifício Bacardi, o Museu Nacional de Belas Artes e o bar La Floridita ­ um dos preferidos de Ernest Hemingway nos tempos pré­ revolução e dos turistas na atualidade. O Capitólio, O Grande Teatro de Havana e o Paseo del Prado também ficam por perto.

O novo hotel também terá um spa, três restaurantes, um bar no lobby, um lounge para fumar charutos e ­ talvez o maior luxo que se pode encontrar em Cuba ­ internet gratuita em todos os quartos.

Fonte: O Globo

O que é Dimob e por que os corretores precisam ficar atentos?

15_corretor

Você sabe o que é Dimob? Se não sabe e é corretor de imóveis, é muito importante ficar atento a este conteúdo. e já ouviu falar, essa é uma boa oportunidade de saber mais informações sobre ela.

O que é Dimob?

Bom, primeiramente, vamos entender o conceito e como ela surgiu. Dimob quer dizer Declaração das Informações sobre Atividades Imobiliárias. É uma obrigação acessória anual, requerida pela Instrução Normativa 1.115 e deve ser entregue à Receita Federal via Certificado Digital. Como toda obrigação acessória, é de natureza fiscalizatória, ou seja, o governo instituiu para ter mais controle das movimentações existentes.

Quando e por que surgiu?

A Dimob surgiu em 2003. O motivo de sua criação foi o resultado de processos de fiscalização envolvendo grandes empresas do ramo de construção e administração de imóveis. Isso se seu um ano antes, em 2002, e foi identificado uma fraude da ordem de R$ 1 bilhão. Com base neste retorno dos processos, o governo instituiu a obrigação em 21 de fevereiro de 2003.

Quem deve entregar?

Deve entregar a Dimob todas as empresas de natureza jurídica que exercem as atividades de locação, intermediação ou venda de imóveis e é aí que entra a figura do corretor de imóveis, que está enquadrada no serviço de intermediação.

Fique atento a alguns pontos importantes: a Dimob só deve ser entregue se a sua empresa apresentou faturamento. Quando não apresentar faturamento, esta entrega é dispensada. Mas todo o recebimento de valores deve estar suportado por uma nota fiscal.

O que se pede na ficha?

Além disso, o empresário deve ter atenção às informações complementares, que também devem ser controladas por nota fiscal. São elas:

  1. – Dados do comprador (Nome completo e CPF)
  2. – Dados do vendedor (Nome completo e CPF)
  3. – Data do contrato de compra e venda do imóvel
  4. – Endereço completo do imóvel vendido
  5. – Valor do imóvel vendido

Prazo de Entrega:

A Dimob será entregue, até o último dia útil do mês de fevereiro do ano subsequente ao que se refiram as suas informações, por intermédio do programa Receitanet disponível na Internet.

Para a apresentação da Dimob referente aos fatos geradores ocorridos a partir do ano-calendário 2010, é obrigatória a assinatura digital da declaração mediante utilização de certificado digital válido, exceto para as pessoas jurídicas optantes pelo Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Simples Nacional) . Para os anos-calendário anteriores a 2010, a utilização do certificado digital é facultativa para a transmissão da Dimob.

Multa por atraso na entrega:

A não apresentação da Dimob no prazo estabelecido ou a sua apresentação com incorreções ou omissões acarretará a aplicação das seguintes penalidades, definidas no art. 57 da Medida Provisória nº 2.158-35, de 24 de agosto de 2001.

Art. 57 – O sujeito passivo que deixar de cumprir as obrigações acessórias exigidas nos termos do art. 16 da Lei nº 9.779, de 19 de janeiro de 1999, ou que as cumprir com incorreções ou omissões será intimado para cumpri-las ou para prestar esclarecimentos relativos a elas nos prazos estipulados pela Secretaria da Receita Federal do Brasil e sujeitar-se-á às seguintes multas:

I – por apresentação extemporânea:

a) R$ 500,00 (quinhentos reais) por mês-calendário ou fração, relativamente às pessoas jurídicas que estiverem em início de atividade ou que sejam imunes ou isentas ou que, na última declaração apresentada, tenham apurado lucro presumido ou tenham optado pelo Simples Nacional;

b) R$ 1.500,00 (mil e quinhentos reais) por mês-calendário ou fração, relativamente às demais pessoas jurídicas;

c) R$ 100,00 (cem reais) por mês-calendário ou fração, relativamente às pessoas físicas;

II – por não cumprimento à intimação da RFB, para cumprir obrigação acessória ou para prestar esclarecimentos nos prazos estipulados pela autoridade fiscal: R$ 500,00 (quinhentos reais) por mês-calendário;

III – por cumprimento de obrigação acessória com informações inexatas, incompletas ou omitidas:

a) 3% (três por cento), não inferior a R$ 100,00 (cem reais), do valor das transações comerciais ou das operações financeiras, próprias da pessoa jurídica ou de terceiros em relação aos quais seja responsável tributário;

b) 1,5% (um inteiro e cinco décimos por cento), não inferior a R$ 50,00 (cinquenta reais), do valor das transações comerciais ou das operações financeiras, próprias da pessoa física ou de terceiros em relação aos quais seja responsável tributário.

§ 1º Na hipótese de pessoa jurídica optante pelo Simples Nacional, os valores e o percentual referidos nos itens II e III serão reduzidos em 70% (setenta por cento).

§ 2º Para fins do disposto no item I, acima, em relação às pessoas jurídicas que, na última declaração, tenham utilizado mais de uma forma de apuração do lucro, ou tenham realizado algum evento de reorganização societária, deverá ser aplicada a multa de que trata a letra b do inciso I do caput.

§ 3º A multa prevista no inciso I do caput será reduzida à metade, quando a obrigação acessória for cumprida antes de qualquer procedimento de ofício.

§ 4º Na hipótese de pessoa jurídica de direito público, serão aplicadas as multas previstas na alínea a do inciso I, no inciso II e na alínea b do inciso III.

Fonte: Conube

Mercado imobiliário apresenta estabilidade, aponta Radar Abrainc-Fipe

15_-mercado-imob

SÃO PAULO ­- Mercado imobiliário apresenta estabilidade, aponta Radar Abrainc-Fipe As condições do mercado imobiliário ficaram estáveis em novembro de 2016 na comparação com outubro, segundo o Radar Abrainc­Fipe. A nota média do indicador no mês foi de 2,4 pontos, com leve queda de 0,1 ponto.

Na comparação anual, houve queda de 0,8% na média geral.

Calculado pela Associação Brasileira das Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) e pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), o levantamento tem pontuação de zero a dez, conforme as condições sejam consideradas de desfavoráveis a favoráveis. Atualizado mensalmente, o Radar Abrainc­Fipe apresenta dados de lançamentos, vendas, entregas, oferta final e distratos para o mercado primário de imóveis residenciais e comerciais.

Em novembro, houve melhora no indicador de crédito imobiliário, enquanto os referentes à demanda e ao ambiente do setor pioraram. Já o indicador de ambiente macroeconômico não apresentou variação.

A dimensão ambiente macro teve nota de 2 pontos, a de crédito imobiliário, de 2,3 pontos, a de demanda, de 1 ponto e a de ambiente do setor, de 4,4 pontos.

O único indicador que melhorou foi o de ambiente macro. As dimensões de crédito imobiliário, demanda e ambiente do setor apresentaram notas menores do que as de novembro do ano passado.

(Chiara Quintão | Valor)

Fonte: Valor Econômico

Como deixar a casa mais aconchegante com plantas

15_decoracao

Em um encontro de blogueiros em Paris, Igor Josifovic, autor do Happy Interior Blog, conheceu Judith de Graff, que comanda o Joelix. Logo de cara, o bate-papo entre os dois rendeu muito mais do que eles poderiam imaginar. Isso porque a dupla descobriu um amor em comum: plantas. Logo surgiu a ideia de criar um espaço para falar sobre o assunto. Assim, em 2013, nasceu o Urban Jungle Bloggers.

No blog, Igor e Judith trazem ideias de decoração com plantas e abordam os vários benefícios de ter verde em casa. Mas não fazem isso sozinhos, o espaço funciona como uma espécie de comunidade onde convidados também escrevem sobre o tema. Tudo que é publicado, no entanto, passa pela curadoria dos dois.

No dia a dia, a distância entre a dupla não atrapalha a dinâmica do site. Igor mora na Alemanha e Judith na França, mas a cumplicidade entre os amigos funciona tão bem que até um livro sobre o assunto eles lançaram. Homônimo ao blog, a obra Urban Jungle (Editora Callwey) aborda os benefícios de viver rodeado de verde.

Toda essa bagagem sobre a vida cercada por plantas foi tema do bate-papo que Casa e Jardim teve com a dupla. Confira abaixo e aproveite as dicas para trazer muito mais verde para dentro de casa. “Além de lindo, deixa o lar mais aconchegante e saudável”, afirma Igor.

Casa e Jardim – Quando surgiu o amor pelas plantas?
Igor Josifovic:
 Plantas têm sido parte da minha vida desde a infância. Meus pais tinham muitas espalhadas pela casa. Quando mudei para o meu próprio apartamento foi natural trazer um pouco de verde. Claro, eu comecei com uma ou duas espécies. Hoje, tenho por volta de 50 plantas distribuídas no meu pequeno apê.

Judith de Graff: A casa da minha família nos anos 1980 era uma verdadeira “floresta urbana”, tinha plantas por todos os lados: nas cadeiras, mesas, janelas… Quando adolescente, eu trabalhei em uma floricultura. Mas a paixão pelo verde só despertou de verdade quando visitei o Jardim Exótico em Mônaco. Eu quis levar a sensação boa daquele lugar para dentro de casa. Foi aí que comecei a ter as minhas próprias plantas e nunca mais parei.

CJ – Desde o nascimento do Urban Jungle Bloggers, o lar de vocês mudou muito?
Igor:
 A sensação é que cada vez tem mais verde. Eu tenho tantas plantas de diferentes tamanhos. Constantemente tenho que doá-las a amigos e familiares.

Judith: Igualmente aqui. Minha casa está totalmente esverdeada. E eu também adoro brincar com vasos. Agora não tenho mais espaço para eles no chão e bancadas, a solução foi apostar em plantas penduradas. Tenho uma espécie de jardim vertical.

CJ – Vocês podem contar um pouco sobre decoração com plantas?
Igor:
 Eu sou um grande fã do estilo de decoração boho. Gosto de misturar elementos étnicos, texturas vintage, cerâmicas artesanais, objetos garimpados em brechós e lembranças de viagens para trazer a minha personalidade ao lar. As plantas são o acompanhamento perfeito para acentuar o estilo de vida boêmio à casa.

Judith: Eu amo ter uma casa iluminada e colorida com um estilo contemporâneo. Para isso, gosto de misturar peças de design com objetos que herdei. Tudo coroado com muitas espécies de plantas espalhadas pelo lar. Uma vez tentei deixá-las todas juntas em um só lugar, mas achei que o resto da casa ficou vazio e sem alma. O verde traz muito mais personalidade para os espaços.

CJ – Qual a sua maior inspiração na hora de escolher as plantas para decorar o lar?
Igor:
 Algumas plantas eu escolho da minha “lista de desejos”, outras eu encontro por acaso nas ruas. Tem aquelas que são lembranças de viagens a outros países, algumas são presentes e tem também as que descubro nas floriculturas locais. O mais importante, na minha opinião, é misturar espécies grandes e pequenas. Eu também gosto das suculentas por conta da folhagem tropical. A dica é imaginar a espécie escolhida na sua casa. Se combinar com o seu estilo e parecer certo: leve!

Judith: Assim como o Igor, eu também tenho a minha “lista de desejos”, mas muitas outras plantas chegam de diferentes locais: floriculturas, presentes de amigos, lembranças de viagens ou até trocas com outros amantes de plantas. Eu também sempre escolho novas espécies pensando em meus três gatos. Elas não podem ser tóxicas ou muito atraentes para eles. Eu adoraria ter plantas frondosas em minha mesa do escritório, mas, com certeza, eles derrubariam e ainda comeriam. Então, preciso mantê-las fora do alcance dos bichanos. Por sorte, eles não se interessam pelas minhas suculentas, que amo, e posso ter quantas quiser.

CJ – Quais são os maiores benefícios de ter plantas em casa?
Igor:
 Nós acreditamos que existem inúmeros benefícios. Primeiro, plantas transformam o lar e trazem vida a qualquer ambiente. Elas também melhoram o clima da casa, já que purificam e umidificam naturalmente o ar. Além disso, o verde tem um efeito relaxante em nossa mente e nos conecta à natureza. E por último, mas não menos importante, plantas transformam para melhor qualquer decoração. Em poucas quantidades ou uma “quase floresta” inteira, o importante é trazê-las para dentro de casa.

CJ – E como elas podem deixar o lar mais aconchegante?
Judith:
 As plantas adicionam, instantaneamente, vida e aconchego a um lar. Verde é, geralmente, a cor que relaxa e eleva a harmonia nos ambientes. Trazer espécies para dentro de casa nos lembra a beleza da natureza, além de deixar a atmosfera quente e confortável. E, principalmente, elas são o elemento perfeito para criar um ambiente de refúgio no lar.

CJ – Vocês afirmam que as plantas também deixam o ambiente mais saudável. Como funciona?
Igor: 
Sim, as plantas deixam o lar mais saudável. Muitos estudos têm revelado que, além de purificarem o ar, elas também removem toxinas. Isso porque umidificam naturalmente os ambientes, o que traz oxigênio fresco. Esse é o processo que deixa nossa casa melhor e mais saudável.

CJ – E quais são as melhores espécies para se ter em casa?
Judith:
 Não existe uma regra. Depende muito do tamanho do lar e do estilo do morador. Uma preocupação a se levar em conta é se tem crianças e animais de estimação, afinal algumas espécies são tóxicas. Se a busca é por plantas que purifiquem o ar, opte por espada-de-São-Jorge, jiboia, babosa, samambaia americana ou clorofito.

CJ – Também podemos levar plantas para o escritório, certo? Qual a melhor espécie?
Igor:
 As plantas melhoram a nossa concentração e criatividade. E também renovam o oxigênio do escritório. Aqui é preciso levar em consideração a luz incidente no espaço. Mas existem algumas espécies bem resistentes. Aposte em espada-de-São-Jorge, aglaonema ou lírio da paz.

CJ – Para finalizar, como podemos decorar com plantas?
Judith:
 1. Crie um minijardim no parapeito de sua janela: combine várias plantas da mesma espécie, por exemplo cactos. Ou faça um mix de plantas de tamanhos e texturas diferentes para criar uma floresta urbana.

2. Faça seu próprio terrário: use uma jarra de vidro e aposte em plantas que amam umidade, como a peperomia, geastrales e outras.

3. Aposte em um jardim vertical. Com tutoriais disponíveis na internet é possível montar os suportes gastando pouco.

4. Uma única planta robusta em um ambiente funciona muito bem. Que tal uma árvore-da-borracha? Ou uma grande euphorbia? Um cacto alto também é uma excelente opção. Para completar, um quadro com uma imagem botânica traz ainda mais charme ao espaço.

5. Vários vasos de plantas. Aqui é um outra opção de faça você mesmo. Que tal desenhar e pintar seus vasinhos? Combine peças vintages com referências modernas.

Fonte: Casa e Jardim

 

 

Quer um jantar exclusivo na Disney? Ele custa mais de R$ 45 mil

15_miami

O 21 Royal é uma experiência de jantar exclusiva e quase secreta do Disneyland Park, na Califórnia.

São Paulo – Se você acha que os parques da Disney são apenas diversão e pouco glamour, você está enganado. Uma experiência de jantar exclusiva e quase secreta no Disneyland Park, na Califórnia, pode custar 15 mil dólares, ou seja, mais de 45 mil reais para um grupo fechado de 12 pessoas.

Trata-se de um serviço único oferecido pelo parque e pouco conhecido por seus frequentadores.  Batizado de 21 Royal, a experiência está localizada na New Orleans Square bem próxima à atração Piratas do Caribe.

O jantar é servido em uma espécie de residência com decoração clássica de Nova Orleans do século XIX e conta com 21 funcionários entre chefs, mordomos e um sommelier.

Quando contratado o serviço, o grupo é recepcionado no Disney’s Grand Californian Hotel & Spa e levado até o local com escolta.

Já na residência, os convidados são recebidos com coquetéis assinados por renomados bartenders. Todos podem conhecer os ambientes da casa antes de o jantar ser oficialmente anunciado.

Na hora do jantar, louças banhadas a ouro e cristais compõem a mesa que também é da decorada com flores naturais.

O menu personalizado é preparado por dois chefs que priorizam ingredientes frescos e orgânicos e um sommelier responsável pela harmonização dos vinhos.

Para contratar a experiência, é necessário fazer uma reserva com antecedência por meio do serviço de concierge do parque.

Fonte: Exame

Três pilares das casas de luxo podem desaparecer em 20 anos

15_luxo

(Bloomberg) — Algumas amenidades imobiliárias são eternas — uma vista panorâmica para o Central Park, por exemplo, ou um porteiro que sabe quem é seu motorista preferido. Outras, no entanto, podem ser surpreendentemente fugazes: o que hoje parece um must poderia desaparecer dos empreendimentos de amanhã. A seguir, três itens básicos e inesperados do mercado de imóveis de luxo que, segundo projeções de especialistas, poderiam se tornar obsoletos em breve.

O home theater

O mercado de home theater dos EUA chegou a US$ 1,4 bilhão em 2015, um aumento de mais de 50 por cento desde o mesmo período em 2010, segundo a Cedia, associação comercial para empresas de tecnologia doméstica. Claro que já não basta instalar uma tela gigantesca e um projetor digital: os verdadeiros cinéfilos podem construir sua própria sala Imax por US$ 1 milhão e assinar o Prima Cinema, um serviço estilo Netflix para a fatia de 1 por cento que aluga lançamentos por US$ 500.

Mas esse investimento poderia estar com os dias contados, pelo menos de acordo com o arquiteto Duan Tran, da KAA Design. “Nossos clientes estão pedindo ambientes de realidade virtual completamente envolventes porque eles estão muito ocupados e querem uma dose mais elevada de escapismo”, disse Tran em uma entrevista por telefone, de seu escritório em Los Angeles.

A suíte principal

Suítes enormes já foram o maior troféu de uma casa luxuosa, mas incorporações recentes vêm substituindo esses quartos sem paredes, estilo loft, por um complexo de câmaras privadas, montadas ao redor de um espaço menor e mais aconchegante que abriga apenas a cama. Roy Kim, da Douglas Elliman, usa como exemplo o Park Grove de Miami, projetado por Rem Koolhas. “Você verá uma antessala, como um estúdio ou uma biblioteca, além de um grande closed e um banheiro que parece um spa”, disse Kim em entrevista por telefone, da Califórnia. “As pessoas já não querem entrar sem cerimônia em uma suíte principal e ver a cama — criar privacidade nunca foi tão importante.”

Cozinhas de revista

De acordo com Jonah Disend, fundador da empresa de inovação Redscout, cozinhas complexas que ocupam um lugar central, assim como as suítes principais, são outra das amenidades que estão na lista das espécies em extinção nas casas de alto nível. Em parte, isso se deve a que os serviços de entrega como Blue Apron ou Amazon Prime Now vão minimizar a necessidade de armazenar qualquer coisa além do indispensável, junto com novas amenidades como cozinha centralizada e catering dentro de um empreendimento imobiliário. Um exemplo é o 432 Park Avenue, de Rafael Viñoly, onde Shaun Hergatt, chef premiado com estrelas Michelin, vai comandar um restaurante exclusivo para os moradores, oferecendo o suprassumo das comidas de luxo para levar.

Fonte: UOL