Quais as perspectivas para o mercado imobiliário no segundo semestre de 2017?

17_mercado

Depois de um ano de incertezas e desaquecimento do mercado de imóveis, como foi 2016, os índices de vendas e aluguel de imóveis diminuiu em quase todas as regiões do Brasil, e logo, a demanda por novas construções também. Porém, a boa notícia é que 2017 prometeu ser um ano de retomada econômica e aos poucos as coisas vão acontecendo.

Para o segundo semestre, as expectativas são favoráveis, e isso se deve principalmente ao pacote de medida econômicas que foi anunciado no país desde o início do ano. As taxas de juros estão caindo e os preços de imóveis estão mais estabilizados, gerando uma onda de otimismo no setor imobiliário.

Mas você sabe quais são as perspectivas para o mercado imobiliário no segundo semestre de 2017? Separamos as principais tendências apontadas por especialistas para você se programar para as mudanças do mercado de imóveis nos próximos meses. Acompanhe.

Diminuição de taxas de juros e inflação 
A taxa de juros foi reduzida pela 3ª vez, e o mercado baixou sua previsão para 4,12%, por isso, a expectativa é que esse indicador fique abaixo da meta do ano, que seria 4,5%. Quando 2017 começou, a previsão era de 5,07%.

Isso mostra, de forma bastante clara, que as perspectivas para o mercado imobiliário no segundo semestre são muito otimistas. Essa situação reflete diretamente no poder de compra dos consumidores brasileiros e torna a compra de imóveis mais atraente.

Crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) 
A expectativa é que, ainda este ano, o PIB brasileiro cresça 0,47% e o mercado está bastante positivo com essa melhoria, já que, no ano anterior, o índice caiu pelo segundo ano consecutivo. Essa é uma mudança que contribui diretamente para a retomada do crescimento do mercado de imóveis, pois é um indicador utilizado para mensurar o comportamento da economia do país.

Redução da taxa de desemprego 
Com o crescimento do Produto Interno Bruto do Brasil, é natural que a geração de empregos aumente, colaborando para a redução da taxa de desemprego. Com mais pessoas empregadas, aumenta o público que tem condições de adquirir um imóvel e conseguir crédito, fazendo a economia girar e o mercado de imóveis crescer.

A taxa de desemprego é um dos fatores mais decisivos para o mercado imobiliário, já que, dificilmente, uma pessoa sem trabalho irá comprar um imóvel ou se mudar de casa.

Mudanças nas regras de financiamento de imóveis 
Outro ponto que influencia o mercado de imóveis são as regras para financiamento. As mudanças anunciadas pela Caixa Econômica Federal no começo do ano já estão tendo seus efeitos percebidos. A instituição aumentou o teto do financiamento de imóveis de R$1,5 milhão para R$3 milhões, além de lançar uma faixa R$1,5 milhão no programa Minha Casa Minha Vida.

Por isso, as perspectivas para o mercado imobiliário no segundo semestre são as melhores, afinal todas essas mudanças anunciadas pela Caixa Econômica Federal abrem novas possibilidades de compra de imóveis e amplia o público que pode financiar.

São muitos os sinais positivos para a economia e mercado de imóveis do Brasil para o segundo semestre de 2017. Por isso, se você tem um negócio ligado a este setor, como incorporadoras, imobiliárias ou fundos imobiliários, é importante estar preparado para a retomada do mercado ainda este ano. Algumas dicas são:

  • Melhoria de processos internos por meio de automatização de atividades e aumento da produtividade;
  • Trabalhar com entusiasmo, e principalmente, incentivar sua equipe;
  • Definir as melhores metas e objetivos de acordo com as tendências de mercado em busca de eficiência e resultados;
  • Manter uma boa rede de contatos para encontrar parcerias, indicações e fechar mais negócios;
  • Trabalhar todas as oportunidades geradas pelo seu negócio da forma mais inteligente possível.

Colocar essas estratégias em prática fica mais fácil quando você conta com um software que gera informações inteligentes e ajuda a automatizar atividades e controlar todas as áreas da sua empresa.

Conheça o Hiperdados: www.hiperdados.com.br

Fonte: Terra

Venda de imóveis quase dobra em 2017 em relação ao ano passado, diz Ademi-GO

10_ML

A venda de imóveis no estado quase dobrou nos primeiros quatro meses de 2017 se comparado ao mesmo período de 2016, aponta uma pesquisa da Associação das Empresas do Mercado Imobiliário de Goiás (Ademi-GO) divulgada na sexta-feira (30). O índice considera os negócios fechados subtraindo as devoluções.

De acordo com o levantamento, entre janeiro e abril de 2016, o mercado imobiliário gerou 316,9 milhões. No mesmo período deste ano, foram R$ 620 milhões.

Diretor de vendas de uma construtora, Edmilson Borges ressalta que, além do aumento nas vendas, houve redução na quantidade de distratos. Para o especialista, isso mostra que os consumidores estão com mais confiança no mercado imobiliário.

“Clientes tinham que fazer financiamento, não conseguiam e distratavam. 2016 foi um ano que teve um represamento muito forte do mercado. As pessoas estavam com medo por causa do aumento da taxa de emprego e dos juros. Com a queda da taxa de juros e um pouco mais de segurança na economia, as pessoas estão voltando a comprar”, explicou.

Metro quadrado

A pesquisa também aponta que o valor médio do metro quadrado no primeiro quadrimestre de 2016 era de R$ 4.871,19. Neste ano, é de R$ 5.017,773.

De acordo com Borges, a pequena variação do metro quadrado reflete a força do mercado goiano. Ele defende que o preço está entre os mais baixos do país, mas deve subir nos próximos anos porque a margem de lucro das empresas é pequena e pode faltar imóvel.

“O bairro mais nobre é o Marista, onde você mora com R$ 5 mil o metro quadrado. Não tem outra capital com esse valor. Com a diminuição dos lançamentos, a nossa projeção é de que faltará produto em 2019, 2020. Então, em 1 ano e meio, 2 anos, o preço do metro estará mais caro”, conclui.

Fonte: G1

Como o mercado imobiliário vai reagir nos próximos meses

3_ml

Após anos de boas vendas e previsões de crescimento, o mercado imobiliário passa por um momento de calmaria para quem olha de fora, apesar de já ter beirado o desespero para quem depende dele. Porém, esta é uma época de fortalecimento. O setor dá sinais de que já não está mais tão fácil encontrar compradores para casas e apartamentos lançados no mercado. O aumento do endividamento da classe C, as taxas de juros mais altas e a baixa oferta de crédito já freiam a antes aquecida demanda. A mudança de cenário tem desafiado as áreas de Marketing das incorporadoras, que apostam em bonificações, brindes e descontos para atrair o comprador e fechar negócios. A estratégia visa facilitar a escolha por um determinado imóvel, dando ao cliente algo de que ele usufrua ao receber as chaves da nova casa.

Essas ações denotam uma preocupação com a estagnação da construção civil. Com a crise econômica no país, vem ocorrendo uma desaceleração nas vendas, tornando a oferta maior do que a procura em determinadas áreas. No período de janeiro de 2016 a janeiro de 2017, inclusive, foram lançados 22.431 apartamentos na capital paulista, em 494 novos empreendimentos. Deste total, 11.602 unidades foram vendidas, ou 52% do total. Assim, o estoque corresponde a 48% de tudo que foi lançado no período, segundo pesquisa feita pela Geoimovel – VivaReal.

Para dar conta de repassar todas as unidades dos empreendimentos, as incorporadoras presenteiam compradores com descontos, abono de impostos e eletrodomésticos, além de realizarem ações para serem lembrados por quem decide comprar um apartamento. A criatividade para atrair interessados já é pensada muito antes de um empreendimento ser lançado.

Para não haver mudança nos preços dos imóveis, os brindes são incluídos nas verbas de Marketing, antes restritas às ações em pontos de venda. Os presentes deixam os compradores mais animados com a decisão e não representam queda nos valores de venda de forma direta. Mesmo assim, regiões como o Rio de Janeiro sofrem com a taxa de vacância – impulsionada pelo fim dos grandes eventos, crise financeira do estado e aumento na taxa de violência. Por outro lado, outras regiões do Brasil passaram a ganhar investimentos no setor, como Nordeste e Sul do Brasil.

Mesmo em um período marcado pela crise econômica e política, as previsões para o ano de 2017 são mais positivas. A estimativa é de que o índice da inflação diminua para 5,07%, as taxas de juros sejam reduzidas e o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) fique em 1,3%, de acordo o Banco Central. A inflação, que voltou com força nos últimos anos, foi uma das principais razões para que o mercado imobiliário ficasse retraído. Entretanto, de acordo com as previsões de especialistas em economia, a inflação está em fase de desaceleração, o que permitirá que os negócios voltem a ficar aquecidos. Ela saiu de 10,7% em 2015 para, aproximadamente, 7,2% em 2016, o que mostra que ela vem caindo aos poucos.

Fonte: Terra

Este é o melhor momento da última década para negociar no mercado imobiliário

14_mercado
Sinalização de redução de juros, queda no preço dos imóveis e liberação de recursos do FGTS inativo capitalizando clientes são fatores que, somados à perspectiva de retomada da economia, devem impactar positivamente o setor imobiliário.

O governo federal trabalha com a projeção de injeção de R$ 30 bilhões na economia brasileira neste ano com a liberação dos saques do FGTS inativo. A medida deve movimentar 0,5 % do Produto Interno Bruno (PIB) do país. Para o governo, a iniciativa pode levar de forma rápida à redução do endividamento das famílias, contribuindo para a volta do crescimento econômico.

O mercado imobiliário aposta que uma fatia desse capital que chega ao bolso dos brasileiros possa ser investida na compra de imóveis, e vê com otimismo a medida, que somada a outros fatores, pode indicar uma caminho para a saída da crise que ainda afeta o setor.

A mais recente pesquisa sobre o segmento imobiliário do país, realizada pela FIPE – Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, e publicada com exclusividade pela Revista EXAME em maio, traz dados que indicam que esse é o melhor momento da última década para quem esta capitalizado e quer negociar a compra de um imóvel.

A pesquisa analisou preços em 5.600 bairros de 203 cidades brasileiras e constatou que os preços dos imóveis subiram apenas 0,8% em 2016. Em termos reais, os preços caíram 5%. Mesmo assim, as vendas não aumentaram por conta da queda da renda das famílias, os altos juros, dificultando financiamentos, e também pela insegurança econômica, desemprego e medo de perder o posto de trabalho.

Diante do cenário avaliado pela pesquisa, os analistas e representantes do setor imobiliário ouvidos afirmam que agora é a hora certa para negociar. Para muitos, a crise já chegou ao fundo do poço. O próximo passo é a recuperação, o que elevaria os preços dos imóveis.

Otair Guimarães, diretor comercial da Leste Realty, empresa que lançou em Ribeirão Preto no final de 2016, em parceria com o Grupo Engep, o empreendimento Quinta dos Ventos, localizado na zona sul da cidade, também avalia que este é o momento ideal para investir no sonho da casa própria.

O Quinta dos Ventos comercializa lotes com metragens a partir de 335 metros quadrados e oferece um padrão inteligente de urbanismo. “Entendemos o momento da economia e oferecemos um produto de qualidade e que cabe no bolso do consumidor. O cliente com condição de investir tem agora o cenário ideal. Os preços ainda estão baixos. Esta é a hora de comprar”, avalia Otair Guimarães.

O empresário ainda analisa como positivas para ao mercado a liberação de recursos do FGTS inativo e a redução de juros, como a taxa Selic. “O setor imobiliário ainda aguarda para avaliar o impacto da liberação desses recursos do FGTS inativo no mercado e também de um corte ainda maior na Selic. Mas a expectativa é positiva. O fato de o trabalhador poder sacar o dinheiro e utilizar naquilo que preferir é bastante interessante. Além disso, a expectativa do trabalhador quitar dívidas pode resultar na queda da inadimplência, que tem impacto na melhoria das condições de financiamento. Fato positivo para o mercado de forma geral”, afirma Otair Guimarães.

Fonte: G1

Startups do mercado imobiliário nacional e internacional chegam à terceira onda tecnológica

2_mercado

Elas são mais de 4 mil no Brasil, segundo a ABS – Associação Brasileira de Startups. Precisamos dessas empresas que realmente surgem e crescem a despeito das crises econômicas e questões internas do país.

Surgiram a partir do começo dos anos 2000, são chamadas de startups online que oferecem informações sobre casas e apartamentos , com o toque da primeira onda de inovação tecnológica do mercado imobiliário .

Este perfil online chegou ao Brasil através de jovens empreendedores como a Loop imóveis, um dos maiores portais imobiliários nacionais, que já atingiu seu break even e parte para a segunda onda do mercado imobiliário.

Mas para entender que segunda onda é essa, é importante lembrar que a primeira onda online do setor é ainda representada pelos grandes players como o Zillow, Trulia e REA, este último na Austrália. Estas startups oferecem os imóveis para compra e aluguel via internet, e hoje já acompanham o nascimento de outras startups que irão ser suas parcerias para melhorar o volume da dados do segmento. Tais empresas parceiras são B2B e ofertam softwares de interface amigável para os players mundiais do mercado imobiliário conseguirem utilizar os dados armazenados na primeira onda e treinar seus corretores, além de atualizar constantemente as incorporadoras de forma a agilizar processos de compra e venda e ou aluguel de imóveis.

Tendências mundiais de segmentos em startups alinhados com os portais imobiliários

De acordo com especialistas internacionais acerca de empreendedorismo, as startups neste ano se concentrarão em determinados nichos:
• Cidades inteligentes;
• Realidade virtual;
• Acessibilidade e inclusão;
• Nanotecnologia;
• Soluções bancárias e Fintechs – segmento de finanças com operações mais baratas para os clientes;
• Internet das coisas – a internet na rotina do consumidor, com destaque para as soluções de eletroeletrônicos;
• Serviços em nuvem – ótima solução para empresas que precisam armazenar muitos dados. Além de um investimento de 50 bilhões de dólares até 2020 em inteligência artificial.

Ao que parece os portais verticais do mercado imobiliário , como o Loopimóveis.com, estão no caminho certo, afinal unem quase que todas as tendências acima e investem na tecnologia para romper qualquer crise econômica. Segundo os sócios da startup, Luiz Eduardo Perna e Roonie Sang, foram realizados investimentos da ordem de quase 500 mil reais em TI em 2017, destes cerca de 200 mil reais estão focados em inteligência artificial.

A startup surge com o diferencial da filtragem interna de leads. “O cliente investe pelo lead entregue, e todos os leads passam por uma triagem. Das 9 às 20 horas realizamos a verificação dos leads, todos os dias. No período de até 15 minutos entramos em contato com esse futuro comprador do imóvel”, afirmam os sócios do Loopimóveis.com. A nova e segunda onda do setor imobiliário chega através deste portal para 1600 cadastros entre imobiliárias e corretores; além de 65 construtoras de peso.

O movimento do setor está garantido com a inovação e o fôlego de uma utilização cada vez mais inteligente dos dados sobre consumidores e ainda para o crescimento dos negócios online B2B.

Fonte: Terra

Setor imobiliário está otimista para 2017 e acredita que a recuperação já começou

26_mercadoimob

Foi um longo período de recessão e queda nas vendas, mas os empresários ligados ao segmento imobiliário e as pessoas que estão em busca de um novo lar com preços acessíveis finalmente começam a enxergar uma “luz no fim do túnel”. Para eles, 2017 começou bem e deve marcar o início da recuperação do setor.

Este otimismo, de acordo com o presidente da Associação Comercial de Sorocaba (Acso), José Alberto Cépil, tem relação com a melhoria de alguns indicadores econômicos, principalmente a queda da taxa básica de juros (Selic), que sofreu corte de 1%, chegando a 11,25%. “Os financiamentos concedidos pelos bancos para a compra e construção de imóveis no primeiro trimestre deste ano são maiores do que no mesmo período do ano passado. Acreditamos numa melhora gradativa da economia e que se encerre este ciclo de queda”, explica.

Para Guido Cussiol Neto, proprietário de uma imobiliária de Sorocaba (SP), o mercado começa a apresentar recuperação com o aumento da demanda por compras e locações. “As vendas e locações estão boas, com destaque para a procura de imóveis usados. Os lançamentos ainda apresentam baixa, mas, mesmo assim, teve alta de 12%. Se a evolução continuar, teremos uma grande virada a curto e médio prazo”, comenta.

Já José Luiz Gonçalves Atalla, dono de outra empresa de negócios imobiliários da cidade, acredita que a retomada veio mais cedo do que muitos esperavam. “Houve uma procura maior por imóveis usados e as locações também aumentaram. Em março, por exemplo, a procura cresceu 20% em comparação com o mesmo mês de 2016. Os imóveis usados são os mais procurados no momento e, neste ritmo, creio que o mercado será normalizado até o início do ano que vem”.

Fonte: G1

Fundos imobiliários se recuperam e sinalizam a retomada do setor

258_mercadoimob

Após o fraco desempenho entre 2013 e 2015 devido à crise econômica, os fundos de investimento que aplicam recursos no setor imobiliário esboçaram recuperação em 2016 e podem oferecer ganhos mais expressivos aos investidores neste ano.

Com cotas negociadas em Bolsa, esse tipo de aplicação rendeu em média 32,3% no ano passado, conforme o índice Ifix, que reflete o desempenho dos fundos imobiliários mais negociados. Em 2017, acumulam retorno de 10,5% até a sexta­feira passada (12).

A volta dos rendimentos atraentes nesse segmento está diretamente relacionada a sinais recentes de possível retomada da economia, como o ciclo de redução da taxa básica de juros (Selic) iniciado em outubro de 2016.

Na prática, a queda dos juros afetou a rentabilidade das aplicações de renda fixa, levando os poupadores a buscar opções de investimentos mais rentáveis.

Os fundos também reagem à expectativa de uma melhora no mercado imobiliário. Entre os especialistas, o consenso é que o pior momento já passou, mas há desafios a serem enfrentados.

“Após um período de forte queda, a previsão é de estabilização no preço dos imóveis. Mas isso deve acontecer se a crise política não influenciar a recuperação econômica”, afirma o economista Luiz Calado, autor do livro “Imóveis” (Editora Saraiva).

ALTERNATIVA

Com aplicação de recursos em escritórios, shopping centers, agências bancárias, hospitais e hotéis, entre outros empreendimentos, os fundos imobiliários são uma alternativa mais barata para quem deseja investir em imóveis ­ em alguns casos, a aplicação mínima é de apenas R$ 100.

O investidor pode lucrar com a valorização das cotas na Bolsa, processo igual ao de compra e venda de ações. Entretanto, assim como ocorre com as ações, os preços também podem cair.

Outra vantagem é que muitos fundos oferecem rendimento mensal, isento de Imposto de Renda para pessoa física. “É uma opção de geração de renda com foco na aposentadoria”, diz Mauro Calil, especialista em investimentos do banco Ourinvest.

Para reduzir riscos, especialistas recomendam optar por carteiras diversificadas, compostas por imóveis de diferentes setores e regiões.

Com a crise, muitas empresas reduziram o quadro de funcionários e optaram por espaços menores, levando a um aumento no número de imóveis vagos.

“No Rio de Janeiro, por exemplo, construíram muitos prédios, mas como a economia não teve o ‘boom’ esperado com o pré­sal e a Olimpíada, os imóveis ficaram sem inquilino e, consequentemente, os preços caíram”, afirma André Lassance, da XP Investimentos.

Como os imóveis ficaram relativamente mais baratos, o investidor voltou a prestar atenção nesse investimento, com perspectiva de ganhos no longo prazo, à espera da ercuperação da economia.

VACÂNCIA

O cenário otimista esperado para fundos imobiliários não vale para todas as aplicações. A regra básica é pesquisar a qualidade e a localização do imóvel antes de investir neste tipo de produto.

“Ainda há fundos com alta vacância”, diz Anita Scal, sócia da área de investimentos imobiliários da Rio Bravo.

No caso dos fundos que investem em shoppings, a valorização depende do movimento varejista. Contratos de aluguel têm uma parcela fixa e uma variável, atrelada ao faturamento dos lojistas.

Mas o varejo não tem exibido sinais positivos.

Em março, as vendas caíram pela 24ª vez na comparação com o mesmo mês do ano anterior, segundo o IBGE. E, endividados, 25% dos paulistanos não iriam presentear mães neste domingo (15), segundo a FecomercioSP.

Produtos que investem em agências bancárias também merecem atenção redobrada.

Com a tendência de fechamento de agências, o retorno dos fundos imobiliários no segmento pode deixar a desejar, aponta Raul Grego, analista da Eleven Financial.

“O potencial de valorização e pagamento de dividendos no longo prazo é maior para fundos que investem em shoppings e edifícios comerciais”, afirma o analista.

Grego também vê boas oportunidades em prédios comerciais: “Há ativos excessivamente desvalorizados”.

Enquanto o setor vivia seu auge, em 2012, houve excesso de oferta de imóveis, lembra Demetrios Freitas de Araujo, analista da Rio Bravo Investimentos.

Fonte: Folha

Segundo estimativa, projeção de crescimento no mercado imobiliário é de 5% a 10% em 2017

12_mercado imob

De acordo com o Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP), a projeção de vendas e lançamentos do mercado imobiliário residencial em 2017 deve crescer entre 5% e 10%. O anúncio foi realizado pelo presidente da entidade, que afirmou que “estamos no fim de um ciclo de baixa e iniciando um ciclo de recuperação”.

Vale destacar que esse cenário de melhora já foi apontado pelo Secovi no final do ano passado, quando a economia apresentou uma melhora e a política uma certa estabilização. Ele garantiu que percebeu que a perspectiva de fato tem se cumprido a partir da queda da inflação e da taxa de juros.

O presidente do Secovi ainda ponderou que esses elementos têm o poder de estimular a comercialização de imóveis nos meses que estão por vir. Contudo, ele também destacou que o setor só voltará a reaquecer, de fato, com a volta da criação de empregos e a recuperação da renda da população – algo esperado apenas para o segundo semestre deste ano.

“As instituições financeiras também começam a vislumbrar um cenário em que não precisarão mais ser tão restritivas na concessão de financiamentos imobiliários. Além disso, o mercado imobiliário está com ofertas para todos os bolsos e, portanto, é um momento favorável ao comprador”, disse o vice-presidente de Imobiliário do Sindicato da Construção (SindusCon-SP), em entrevista à imprensa.

Dessa forma, se a perspectiva a respeito do mercado de fato se cumprir, o setor irá sofrer uma grande virada: afinal de contas, são três anos consecutivos de quedas. O Secovi-SP afirmou que os lançamentos de imóveis residenciais em São Paulo chegaram a 17,6 mil unidades no ano passado, queda de 23,3% em relação às 23,0 mil unidades de 2015. Em 2014, os lançamentos alcançaram 34 mil unidades, e em 2013, 34,2 mil.

A entidade lançou uma publicação que aponta, ainda, as vendas de imóveis residenciais novos na cidade de São Paulo: em 2016, foram 16 mil unidades em 2016, retração de 19,7% frente às 20,1 mil unidades comercializadas em 2015. Já em 2014, as vendas somaram 21,6 mil unidades, e em 2013, 33,3 mil. Com esse resultado, as vendas em 2016 foram as mais baixas da série histórica, que se iniciou em 2004.

“Os imóveis que custam até R$ 500 mil, cujas metragens variam entre 45 e 65 metros quadrados, deverão ser os mais procurados. Vale lembrar que o incentivo gerado pelo aumento do teto do FGTS para compra do imóvel novo movimenta não só o mercado imobiliário, mas a economia como um todo, já que haverá mais mão de obra e serviços contratados”, completou o presidente da entidade, também em entrevista à imprensa. Oportunidade única: Tenha contato com experts do mercado mundial no Superlógica Xperience 2017. Patrocinado

Para quem deseja investir em um empreendimento residencial, a Construtora Planeta conta com ofertas competitivas para o público. São diversos tipos de apartamentos, tanto em obras quanto prontos para morar, com uma ampla oferta de empreendimentos em Sorocaba (SP).

Fonte: Exame

Caixa Econômica Federal espera crescimento do mercado imobiliário em 2017

5_mercadoimob

O presidente da Caixa Econômica Federal, Gilberto Occhi, afirmou que os financiamentos concedidos pelo banco para a compra e a construção de imóveis no primeiro bimestre de 2017 no país já são maiores do que no mesmo período de 2016, reforçando as expectativas de que o mercado imobiliário voltará a crescer neste ano.

— Há expectativas da Caixa de crescimento do mercado imobiliário, mas há também dados que já mostram essa realidade — afirmou, nesta terça-feira, durante o Summit Imobiliário, evento organizado pelo grupo O Estado de S. Paulo em parceria com empresas e associações do setor da construção civil.

Em janeiro e fevereiro, o banco liberou R$ 14 bilhões de financiamento imobiliário. Para todo o ano, a Caixa tem um orçamento de R$ 84 bilhões em empréstimos nessa área, montante um pouco acima de 2016, quando atingiu R$ 81 bilhões.

Occhi citou que a economia brasileira tem dados sinais de recuperação, com queda nas taxas de juros e recuo da inflação. Segundo o presidente da Caixa, há expectativa de que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) mantenha um corte gradual da Selic nos próximos meses. Além disso, Occhi estima que a inflação siga em um patamar controlado, entre 4% e 4,5% ao ano até 2020.

Ele ainda lembrou que nos próximos dias a Caixa irá liberar mais uma tranche de pagamentos das contas inativas do FGTS, o que, segundo ele, ajudará a injetar cerca de R$ 10 bilhões na economia brasileira.

— Para nós, esse é um ano de confiança e de certeza de que invertemos a curva e vamos ter desenvolvimento do setor imobiliário novamente — completou.

PDG Realty e Viver

O presidente da Caixa Econômica Federal minimizou os riscos para os mercados imobiliários e financeiros com os processos de recuperação judicial no setor, como são os casos das incorporadoras PDG Realty e Viver, cujas dívidas em reestruturação ultrapassam R$ 7 bilhões.

— A Caixa está muito pouco preocupada — afirmou o executivo.

Segundo Occhi, o banco estatal tem mantido conversas constantes com as empresas para buscar as melhores condições para renegociação das dívidas, com alongamento dos prazos e revisões de taxas. Por conta disso, descartou que o setor como um todo possa acabar contaminado.

— Estamos participando dessa negociação com eles, são clientes nossos e vamos participar até o final. Não tem risco sistêmico do setor. São casos pontuais e a recuperação judicial ajuda a fazer uma reestruturação da empresa e repactuação com todos os credores — explicou.

*Estadão Conteúdo

Fonte: ZH Economia

O mercado imobiliário europeu é uma boa opção para brasileiros? Números mostram que sim

28_mercado

SÃO PAULO – Dados de outubro do ao passado apontam que, do total de investimentos estrangeiros no setor imobiliário português, 10% ficaram por conta dos brasileiros, que perdem somente para os franceses (25%) e britânicos (19%). O ano também apresentou um crescimento de 60% no número de compradores brasileiros de imóveis na Europa, segundo informações da Athena Advisers, imobiliária especializada em mercado europeu que atua no Brasil.

Apesar de os Estados Unidos ser o país que ainda concentra maior número de investimentos de brasileiros, fatores como a eleição de Donald Trump, a valorização do real contra o euro e a valorização de imóveis em cidades europeias, principalmente Lisboa, podem reverter isso e apontam para um bom momento para investir no mercado europeu, segundo Roman Carel, CEO da Athena Advisers no Brasil, em entrevista para o InfoMoney.

Para 2017, a perspectiva é de que a capital portuguesa continue na frente das demais cidades do continente europeu em termos de valorização do metro quadrado: nos últimos três anos, a valorização foi de 30%; ainda assim, ela continua com o metro quadrado mais barato das demais capitais da Europa.

O executivo explicou que um dos fatores que levou ao aumento de investimento brasileiro em Portugal foi a crise brasileira, que mostrou maior vantagem em investir no Velho Continente. “No momento, o Brasil não é um bom mercado para revenda de imóveis, característica que o mercado de Lisboa apresenta”, disse.

Lisboa é a nova “Miami?”

A cidade note-americana que concentra o maior número de investidores brasileiros é Miami, que também garante vantagens aos investidores. O número de brasileiros que apostam nesse mercado, segundo Roman, ainda não pode ser comparável: “está longe de ser parecido”, disse.

Entretanto, um aspecto que faz de Lisboa uma melhor aposta para investimento é, além do menor custo de vida, a valorização do metro quadrado a longo prazo: nos últimos três anos, a valorização média do m² em Lisboa foi de 30%, enquanto Miami registrou 15% nos últimos cinco anos. A rentabilidade do mercado imobiliário de Lisboa é, segundo a Athena Advisers, de 5% a 7% a longo prazo.

Outra vantagem do investimento é a isenção do imposto de imóveis, o IVA, por até cinco anos – e, posteriormente, a cobrança de um valor menor – para quem investe um mínimo de 400 mil euros em prédios abandonados da cidade, localizados no centro histórico. É uma região movimentada pelo turismo e cujo governo tem planos de restauração, por isso a isenção para os que apostam nesse local.

Para os estrangeiros que investem acima de 500 mil euros em Portugal, também há a vantagem de garantir o Golden Visa, visto temporário para estrangeiros.

“Lisboa ainda não é uma Miami, mas ela tem apresentado mais crescimento e números melhores”, explicou Carel.

Fonte: InfoMoney