O momento é para comprar na planta, usado ou alugar?

_MOLDURA_Marcelo_Lara_Wordpress

Veja as vantagens e desvantagens de adquirir um imóvel usado, novo ou na planta ou até mesmo avaliar o adiamento do negócio.

Há cerca de um ano, a arquiteta Fabiana Rocha, de 42 anos, decidiu trocar a cobertura em que vivia no Jardim Aeroporto por um espaço maior. Alugar não era uma opção, comprar na planta tampouco. Segundo ela, decorar um imóvel zerado aumentaria em 20% o preço da aquisição, investimento que foi poupado com a escolha de um apartamento usado.

No entanto, com a taxa de juros em um dígito e com previsão de fechar 2017 em 7,5% ao ano, o financiamento não se torna mais atrativo? A resposta, segundo especialistas, é depende.

O crédito imobiliário de fato tende a cair, mas esse tipo de operação deve considerar o risco inerente à compra de algo que ainda não existe, alerta o planejador financeiro Jaques Cohen. “A obra pode atrasar, ser embargada e, na pior das hipóteses, nem ser entregue.”

Ele lembra que as incorporadoras estão enfrentando um alto número de “distratos” – cerca de 50% dos lançamentos de médio e alto padrão foram devolvidos nos últimos 12 meses – pode comprometer a capacidade de entrega das empresas. A projeção de quanto sairão, ao final, as prestações exigidas pelo fluxo de caixa (o que se paga antes da entrega das chaves) é outro ponto que costuma ser ignorado, diz Cohen.

As parcelas são corrigidas mensalmente pelo Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), que pode alterar substancialmente o montante final. Foi o que aconteceu com o químico Diego Clemente, de 31 anos, e sua noiva, a analista de sistemas Bárbara Mariza, de 25. O casal assinou o contrato para adquirir na planta um apartamento de 70 m² em Cotia, na Grande São Paulo, há três anos. Na época, o imóvel sairia por R$ 322 mil. A poucos meses do final da obra, o valor já estava estimado em R$ 390 mil.

Eles foram ao stand de vendas do empreendimento, que está com 50% de estoque, dizem, e simularam uma aquisição. Se comprassem hoje uma unidade idêntica, teriam de desembolsar R$ 318 mil. “Eu me senti lesada e exigimos o mesmo desconto”, conta Bárbara.

A empresa se negou, mas após ameaça de distrato por parte dos compradores, concordou em abaixar para R$ 322 mil o preço final. “Acho que se fosse fechar um negócio agora, daria preferência para um imóvel pronto ou usado, porque na planta sempre há surpresas. Internamente, está bem fiel ao que vimos na perspectiva, mas as áreas comuns e os acabamentos estão aquém”, afirma Diego.

jornal

Além de poder avaliar o imóvel já finalizado, quem opta pelo usado tem margem de negociação maior. “A crise econômica colocou os vendedores numa situação menos confortável”, afirma o professor de Finanças da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Fábio Gallo.

Diretor de vendas da Imobiliária Lello, Igor Freire diz que os proprietários estão mais flexíveis. “Estão falando sim até para permutas com imóveis menores ou carros como entrada.” Gallo alerta, porém, para os inconvenientes de imóveis antigos, como a necessidade de reformas. Mais: estar atento à documentação da propriedade e sondar se o condomínio precisa de reparos é fundamental.

Aluguel. Se a ideia é comprar um imóvel, mas a mudança não precisa ser imediata, o conselho do professor de Gestão Financeira da PUC-SP Paulo Romaro é esperar. “Assumir uma dívida de longo prazo em meio à crise, com risco de desemprego, pode ser imprudente.” Neste caso, ele diz que o aluguel deve ser considerado.

Cohen aponta, ainda, outra possibilidade: aplicar em papéis do Tesouro a diferença entre o que iria para o financiamento e o valor pago no aluguel. Ao final do período de investimento, a pessoa terá uma boa entrada e um colchão que diminuirá o sufoco gerado por parcelas maiores, como as anuais.

Mas se o comprador estiver com as finanças estáveis, os lançamentos estocados são mais vantajosos.
“Não há os riscos de construção e a taxa de condomínio já tende a estar fixada. A oportunidade é excelente”, avalia Gallo.

A psicóloga Marisa Provetti, de 59 anos, e o marido Elcio Inhe, administrador de 65 anos, conseguiram R$ 200 mil de desconto na compra à vista de uma unidade em estoque. Eles utilizaram suas reservas para fazer o negócio. O apartamento de 150 m², na Vila Mascote, zona sul, saiu por R$ 1,2 milhão.
“Se tivéssemos precisado vender o imóvel onde morávamos para adquirir este, o negócio não seria tão bom, o mercado está desvalorizado, certamente teríamos perdido dinheiro”, afirma Inhe.

O casal tenta há três meses alugar o imóvel anterior, mas não recebeu nenhuma proposta. “Estamos dos dois lados”, diz Marisa. “Conseguimos um preço ótimo pelo novo. Agora, como proprietários, não temos uma solução para o antigo.”

marisa

A psicóloga Marisa Provetti escolheu comprar um apartamento novo estocado e conseguiu R$ 200 mil de desconto
Foto: Tiago Queiroz/Estadão

Bianca Soares, Especial para O Estado

Fonte: Estadão

Planejamento é a melhor pedida para quem quer alugar imóvel em 2015

Quem pretende iniciar 2015 de casa nova deve fazer um planejamento minucioso desde já para conseguir o melhor negócio, sem surpresas ou despesas de última hora.

O primeiro passo é delimitar as áreas de preferência em dois ou três bairros, para facilitar a pesquisa. Para isso é fundamental verificar as opções de acesso, transporte e serviços essenciais como supermercados, padarias, farmácias, academias e escolas próximas aos locais desejados.

CASSA

continue lendo

Corretores de imóveis de luxo do Rio afirmam que especulação diminuiu.

Aluguel de cobertura na Avenida Vieira Souto chegou a R$ 120 mil por mês,compradores e vendedores pedem sigilo em negociações.

A venda de um apartamento no edifício Cap Ferrat por R$ 70 milhões, na orla de Ipanema, um dos endereços mais valorizados do Rio, voltou a atrair a atenção para o mercado de imóveis de luxo na cidade, que está desaquecido desde o fim do ano passado, de acordo com especialistas. Apesar do alvoroço em torno da negociação, três corretores de apartamentos e casas de alto padrão consultados pelo G1 afirmaram que o mercado vive um período realista, onde imóveis com valores muito fora da realidade acabam “encalhando”.

141119_Luxo_1

continue lendo

Saiba como decorar um apartamento alugado e deixar o espaço mais aconchegante

Enquanto você não consegue a tão sonhada casa própria, é preciso se virar com alguns recursos sem prejudicar a estrutura original do imóvel.

140901_Arquitetura_Decoracao_1

Decorar um apartamento alugado é sempre um desafio. Enquanto você não consegue a tão sonhada casa própria, é preciso se virar com alguns recursos sem prejudicar a estrutura original do imóvel.

Continue lendo…

Como a Selic e a inflação afetam aluguéis e financiamentos?

Internauta quer saber qual a relação da taxa básica de juros e da alta generalizada dos preços com os valores dos aluguéis de imóveis e os custos de empréstimos
Selic é usada para controlar a inflação e influencia financiamentos
Selic é usada para controlar a inflação e influencia financiamentos

Dúvida do internauta: Gostaria de saber como e por que as variações da taxa Selic e da inflação afetam diretamente o valor do aluguel de imóveis e também dos financiamentos. Continue lendo…

Condomínios luxuosos em Orlando atraem brasileiros para moradia e aluguel

O mercado imobiliário internacional está aquecido em função de casas com jeito de resort, pensadas e projetadas para turistas do Brasil
As empreendedoras especializadas em gerar negócios imobiliários nos EUA para brasileiros atuam em diferentes frentes: venda, administração e locação (Magic Village Resort/Divulgação)
As empreendedoras especializadas em gerar negócios imobiliários nos EUA para brasileiros atuam em diferentes frentes: venda, administração e locação (Magic Village Resort/Divulgação)

O interesse por imóveis fora do país é crescente entre os brasileiros. Cerca de 15% dos turistas que viajam para Orlando – a cidade da Disney World, na Flórida – preferem alugar casas à pagar diárias de hotel nas férias. A escolha é mais rentável quando as famílias são muito grandes ou procuram estadia prolongada.

A compra de imóveis nos Estados Unidos também está na mira dos investidores. Para eles, ter um apartamento ou casa em uma das cidades mais visitadas por turistas do Brasil é uma forma de, ao mesmo tempo, ter um local para passar as férias e ganhar dinheiro com aluguel no resto do ano.

 (Magic Village Resort/Divulgação)
(Magic Village Resort/Divulgação)

Com o objetivo de atrair investidores e turistas, empresas estrangeiras já montaram negócios exclusivos para clientes brasileiros. Uma dessas imobiliárias, que administra o Magic Village Resort, já vendeu 80% das casas que oferece, ainda na última fase de lançamento. Enquanto isso, uma das concorrentes no mercado negociou 150 casas em 2013 e espera alcançar o mesmo número neste ano.

Para alcançar o sucesso entre os brasileiros, as empresas norte-americanas trabalham com venda, administração e locação. Os interessados, de acordo com as empresas, não precisam nem viajar para os Estados Unidos para fechar o negócio, já que serviços como chat, orientações e imagens estão disponíveis.

 (Magic Village Resort/Divulgação)
(Magic Village Resort/Divulgação)

“Tecnologia é fundamental para a eficiência dos negócios, principalmente os que são feitos a longas distâncias. Segurança na troca de informações, interatividade, transparência e atendimento personalizado são os diferenciais das empresas que se destacam no Brasil e exterior”, comenta Ricardo Molina, especialista em Negócios Imobiliários. Além disso, as empresas devem respeitar todos os requisitos e normas legais em território americano para operar no mercado imobiliário. “Para atuar nos EUA, o profissional deve estar devidamente licenciado, fazer a reciclagem com cursos, workshops e ter certificações exigidas”, alerta o especialista. 

Assista ao vídeo de divulgação do condomínio em Orlando:

Untitled-1

Fonte: Lugar Certo – CorreioWeb 

Vale a pena alugar o apartamento durante a Copa? Veja dicas

Proprietários estão de olho na renda extra com a chegada de turistas do mundo inteiro
Descreva os pontos turísticos da cidade onde seu apartamento está localizado (Foto: Shutterstock)
Descreva os pontos turísticos da cidade onde seu apartamento está localizado (Foto: Shutterstock)

A Copa do Mundo está chegando e, com o evento, milhares de turistas devem desembarcar no Brasil para acompanhar suas seleções. De olho em uma renda extra, muitas pessoas estão colocando seus apartamentos para alugar, com preços altos, formando um mercado imobiliário paralelo. Mas, afinal, vale a pena alugar um apartamento para períodos pequenos?

Na visão de Jo Augusto Viana Neto, presidente do Creci-SP (Conselho Regional de Corretores de Imóveis), o apartamento é melhor se for perto do estádio e, além disso, é mais barato. “O apartamento dá mais liberdade para um grupo de amigos ou família, e o hotel já é mais restritivo”, afirma.

Mas, fique atento aos valores e qualidades do apartamento. O Creci orienta que as partes envolvidas no negócio façam um contrato de aluguel, mesmo que o período dure uma semana ou menos. Neste contrato devem constar as datas de entrada e saída do inquilino, valor, forma de pagamento, eventuais multas para casos de atraso ou depredação e até o número de pessoas que vão ficar no imóvel.

Ainda no contrato é importante colocar o número de copos, talheres, pratos, panelas e outros utensílios que estejam à disposição no imóvel a ser alugado.

“Quando o locatário entra no imóvel ele tem que fazer uma vistoria e pedir para assinar um documento. Ele deve ter um recibo para provar que o contrato acabou e que foi tudo devolvido da mesma forma que foi entregue pelo proprietário”, diz o presidente do Creci.

Proprietários enxergam a possibilidade de ganhar uma renda extra durante a Copa do Mundo (Foto: Shutterstock)
Proprietários enxergam a possibilidade de ganhar uma renda extra durante a Copa do Mundo (Foto: Shutterstock)

A alta na procura de apartamentos para o período da Copa do Mundo já é sentida pelos empresários do ramo. Segundo Christian Gessner, diretor-geral do site Airbnb, uma comunidade de anunciantes para viajantes, houve um crescimento médio de mil anúncios por mês.

“As pessoas procuram mais do que uma renda extra quando optam por alugar um espaço. Elas querem trocar experiências e cada anfitrião mostra o que há de único no lugar escolhido”, diz Gessner.

Para que não aconteçam problemas entre proprietário e locatário, é importante ler comentários feitos no perfil do hóspede e saber, também, se sua identidade foi verificada pelo site. A maioria dos sites de classificados oferecem também a possibilidade de comunicação entre as partes pelo chat.

Mas os turistas também precisam ficar atentos a algumas situações, segundo o diretor-geral do Airbnb. “Na hora de escolher um imóvel é importante verificar informações além da descrição do anfitrião, como os comentários feitos pelos hóspedes anteriores. As criticas irão ajudar a tomar uma decisão e ter uma base sobre o perfil do anfitrião e do lugar tais como limpeza, comunicação e localização”, oriente o diretor-geral do Airbnb.

Veja abaixo algumas dicas para anunciar seu apartamento:

– É fundamento que faça a descrição completa do imóvel e da região;

– Tire fotos em diversos ângulos do imóvel;

– Não abuse nos preços. O Airbnb esteve presente nos Jogos Olímpicos de Londres e pode observar que os anúncios com preços abusivos acabaram sem reserva;

– Mantenha uma boa comunicação com o seu hóspede e faça com que ele se sinta confortável em seu apartamento ou casa.

Tire boas fotos e deixe o ambiente arrumado para impressionar as pessoas que buscam um apartamento (Foto: Reprodução/Airbnb)
Tire boas fotos e deixe o ambiente arrumado para impressionar as pessoas que buscam um apartamento (Foto: Reprodução/Airbnb)

Reservas e valores – Para que os dois lados fiquem protegidos na negociação, Viana Neto sugere que 50% do pagamento seja efetuado no momento da reserva e 50% no momento da entrada do imóvel. “É importante saber, além de quantas pessoas podem entrar no apartamento, se o veículo pode ser guardado na garagem do prédio, assim como questões de piscina, sauna e áreas comuns do condomínio”, alerta.

Por mais garantias, um contrato de locação não residencial, de até 90 dias, é interessante. Nesses casos, o pagamento adiantado também é permitido, além de um depósito para conservação do apartamento e, caso nada aconteça, o dinheiro é devolvido.

Os valores dependem muito de cada proprietário. Segundo o presidente do Creci, têm apartamentos pequenos que foram alugados por um alto preço por estarem perto do estádio e, também, imóveis grandes com aluguel barato porque estão em regiões mais distantes.

É importante saber se é possível usar as áreas comuns do condomínio (Foto: Reprodução/Airbnb)
É importante saber se é possível usar as áreas comuns do condomínio (Foto: Reprodução/Airbnb)

No caso do Airbnb, toda transação é feita através da plataforma, que cobra uma taxa de 3% do proprietário por reserva aceita e, para o hóspede, é cobrada uma taxa de serviço entre 6% e 12%.

“Esse valor, além de manter os serviços do site e da comunidade, é usada para cobrir os serviços que processam o pagamento, como cartões de crédito, fazendo com que todas as transações fiquem mais seguras”, diz o diretor-geral do Airbnb.

Fonte: ZAP Imóveis – por Mateus Carvalho

Adquirir imóvel para morar ou investir requer alguns cuidados

A compra de uma residência deve levar em consideração diversos elementos para que o local escolhido atenda às necessidades dos moradores

 (Monique Renne/CB/D.A Press)

Adquirir um imóvel para morar ou investir não é tarefa simples. Para isso, é preciso analisar diversos fatores, que devem facilitar o dia a dia e proporcionar conforto para o morador. Um dos principais itens é a localização. Com o trânsito conturbado e a rotina cheia de atividades, qualidade da vida pode ser sinônimo de morar em uma área de fácil acesso. Além disso, em Brasília, tecnologia, lazer e conforto são algumas das exigências do público interessado em inovações nos empreendimentos imobiliários. Continue lendo…

Valor de locação subiu 0,6% em março, diz Secovi

No acumulado dos últimos 12 meses, o aumento atingiu 9,0%, patamar superior à variação de 7,3% do IGP-M no período
Imóvel disponível para locação, com placa de "aluga-se"
Imóvel disponível para locação, com placa de “aluga-se”: em março, os contratos de aluguel de imóveis de um dormitório apresentaram alta de 0,9% ante fevereiro

São Paulo – O valor dos contratos de locação residencial fechados no mês de março na capital paulista subiu 0,6% na comparação com fevereiro, de acordo com pesquisa mensal realizada pelo Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP ). No acumulado dos últimos 12 meses, o aumento atingiu 9,0%, patamar superior à variação de 7,3% do IGP-M no período. Continue lendo…

Em queda, IGP-M tem inflação de 0,83% na segunda prévia de abril

A segunda prévia do IGP-M é calculada com base em preços coletados entre os dias 21 do mês anterior e 10 do mês de referência
A queda da taxa entre março e abril foi puxada pelos preços no atacado (Carlos Vieira/CB/D.A Press)
A queda da taxa entre março e abril foi puxada pelos preços no atacado (Carlos Vieira/CB/D.A Press)

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), usado no reajuste de contratos de aluguel, teve inflação de 0,83% na segunda prévia de abril. A taxa é inferior à observada na segunda prévia de março (1,41%). O indicador acumula taxas de 3,4% no ano e 8,03% nos últimos 12 meses, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV). Continue lendo…