Após ‘saga’ de quase 20 anos, hotel de luxo abre as portas em parque de SP

10_luxo

Ao abrir as portas hoje, o Palácio Tangará – hotel que pretende se tornar um novo templo do alto luxo em São Paulo – põe fim a uma saga de quase 20 anos que inclui um sonho frustrado de um empresário ambicioso, brigas entre sócios e uma obra que se tornou um “fantasma” que assombrou o Parque Burle Marx, na zona sul de São Paulo, durante 12 anos. Após ser comprado por um fundo americano e ter a administração assumida por um grupo alemão, o hotel inicia as atividades com um novo desafio: enfrentar a atual crise do setor de hospedagem no País.

O projeto, idealizado pela constutora Birmann, que foi referência no desenvolvimento de edifícios comerciais na capital paulista nos anos 1980 e 1990, foi comprado há quatro anos pelo fundo GTIS – antes, era uma sociedade entre o empresário Rafael Birmann e a Previ (fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil).

As obras foram iniciadas em 1998, mas a Birmann entrou em crise em 2000, o que levou à paralisação dos trabalhos em 2001. Uma disputa entre os sócios, aliada à dificuldade em encontrar um novo investidor, deixou a obra parada por mais de uma década. Durante anos, soluções foram buscadas para o projeto – entre os que olharam o ativo esteve a espanhola OHL.

No entanto, foi o americano GTIS que, em 2013, chegou a um acordo com Birmann. O empresário abriu mão do empreendimento para se livrar de dívidas. Já os 49% que pertenciam à Previ foram comprados por R$ 45 milhões, em acordo separado.

O fundo investiu na conclusão das obras – ainda faltavam 30% dos trabalhos – e fechou acordo de administração com a alemã Oetker Collection, referência em hotéis cinco estrelas. Para dirigir o Tangará, veio o executivo Celso do Valle, que participou do início da operação do Emiliano, em 2001.

Luxo. Segundo Valle, o objetivo da Oetker é entregar um novo conceito de luxo em hotelaria ao mercado paulistano. A diária dos quartos vai variar de R$ 1,6 mil a R$ 38 mil – o menor quarto do Tangará tem 47 metros quadrados e a maior suíte, 530 metros quadrados. “Todos os quartos terão vista para o verde do Parque Burle Marx. Ninguém vai abrir a janela e ver uma parede”, garante Valle.

Os hóspedes ainda contarão com duas piscinas aquecidas (uma delas coberta), academia, spa administrado pela francesa Sisley, bar de drinques e um restaurante com cardápio desenvolvido pelo “chef-celebridade” Jean-Georges Vongerichten, entre outros “mimos”.

Para se diferenciar no segmento de luxo – onde enfrentará a concorrência de rivais como Emiliano, Fasano e Unique –, o Palácio Tangará pretende atrair o público paulistano para suas instalações. A meta é que o restaurante, o spa, o bar de drinques e adega possam ser usados por quem não estiver hospedado no hotel. Outra aposta é um espaço de eventos que comporta até 400 pessoas – e já tem 15 casamentos fechados para os próximos meses.

Desafios. Após quase 20 anos em “gestação”, o Palácio Tangará chega não só no meio de uma crise econômica, mas também em um dos piores momentos recentes para o setor hoteleiro. Mesmo em São Paulo, mercado considerado “blindado” pelo turismo de negócios, houve um recuo de 20% em três anos, segundo Diogo Canteras, sócio-diretor da consultoria Hotel Invest. Hoje, segundo a consultoria, a taxa de ocupação dos hotéis em todas as capitais brasileiras está abaixo de 60% – o ponto de equilíbrio médio do setor é de 70%.

Além disso, segundo o consultor, o fator localização também pode pesar contra o Tangará. O bairro do Panamby, onde fica o hotel, costuma registrar engarrafamentos pela manhã – o que pode prejudicar o trajeto de altos executivos a seus locais de trabalho. Embora se trate de um projeto ambicioso, Canteras lembra ainda que há outras marcas consolidadas no segmento luxo na cidade. E a concorrência está prestes a ficar ainda mais pesada, já que a rede Four Seasons tem estreia marcada em São Paulo para 2018.

Fonte: Estadão

Milionária turca investe em hotel de luxo em Lisboa

26_luxo

Apaixonada por Lisboa, e de olho no mercado imobiliário português e nos vistos gold, a empresária Ahu Büyükkusoglu Serter tem no total 20 milhões de euros para investir no país.

Dois milhões de euros é o valor que a empresária turca Ahu Büyükkusoglu Serter, de 43 anos, herdeira de uma das maiores e mais valiosas coleções de arte da Turquia, vai investir para abrir em Portugal um novo hotel de luxo da cadeia Casa dell”Arte Hotel of Arts & Leisure, depois do sucesso das unidades hoteleiras já existentes desde 2007 na paradisíaca baía de Torba, em Bodrum, na Turquia.

Com inauguração marcada já para junho e morada no número 125 do Campo de Santa Clara, num edifício datado de 1783, coberto de azulejos do século XIX e com vista privilegiada para o Panteão e rio Tejo, o Casa dell”Arte Lisbon será o primeiro hotel do grupo fora da Turquia. Com apenas três quartos à disposição dos clientes, a um preço médio superior a 300 euros por noite, o novo hotel terá também, no piso térreo, uma galeria para exposições e um café (abertos ao público) e ainda uma biblioteca especializada em arte. As paredes surgirão forradas com quadros da coleção familiar e a esmagadora maioria dos móveis serão trazidos da Turquia.

O perfil dos futuros hóspedes está identificado: noivos turcos em lua-de-mel em Lisboa, investidores interessados no mercado imobiliário português e nos vistos gold, artistas internacionais, chefs de cozinha e turistas apaixonados por arte.

Além deste prédio na freguesia de São Vicente, o investimento já concretizado estende-se também a mais dois edifícios em Lisboa – na Praça das Flores e em Arroios, para reabilitação e revenda -, estando esta empresária à procura de novos negócios no país, em Lisboa e no Porto, com perspetivas de investir em Portugal mais de 20 milhões de euros nos próximos anos.

O projeto para fazer nascer em Lisboa um luxuoso hotel em que cada quarto terá na sua decoração obras de arte avaliadas, em média, em cem mil euros, surge no âmbito de um novo pacote de cerca de 300 milhões de euros de investimento direto turco em Portugal que será concretizado até ao final de 2017, anunciado pela nova Associação Portuguesa de Cooperação com a Turquia, The Trade Connection. “Os turcos têm muito dinheiro disponível para investir e estão a descobrir que Portugal é um país interessante. A maior parte dos turcos não conhece Portugal nem o potencial do país”, explicou João Pestana Dias, CEO da associação.

Esse era o caso de Ahu Büyükkusoglu Serter quando aterrou em Lisboa há quatro anos, sem conhecer ninguém, “às cegas, seguindo apenas os meus sentidos”. “Visitei muitas propriedades até que finalmente encontrei o sítio ideal”, contou a milionária, que se define como uma serial investor, em entrevista ao DN/Dinheiro Vivo. O negócio não se fez esperar: “Em 30 minutos tomei a decisão de comprar e fiz uma oferta. Disse ao agente imobiliário que ia apanhar um avião para Istambul e que quando aterrasse queria uma resposta. Cheguei à Turquia, liguei o telemóvel e o negócio estava fechado.”.

O interesse em Portugal é grande e prova disso é a empresa de investimentos já criada no país para apostar ainda mais no imobiliário, mas não só. Na mira da empresária estão também as startups portuguesas, bem como novos espaços de coworking e também a recapitalização de PME com boas perspetivas de mercado. “No setor do imobiliário já fiz outros investimentos e neste momento estou à procura de propriedades maiores para renovar e gerir para as nossas marcas de turismo”, garante Ahu Büyükkusoglu Serter, que também não esconde o interesse em comprar um armazém nas zonas de Marvila ou Alcântara para dedicar a uma galeria de arte de grandes dimensões.

Fonte: DN

Novo hotel de luxo de São Paulo terá diária de quase R$ 10 mil

5_luxoCelso David do Valle, diretor do Palácio Tangará: obras aceleradas para a inauguração do hotel em maio (Germano Lüders/EXAME Hoje)

Dos prédios que sobem aos casarões que vêm ao chão, o único status permanente da cidade de São Paulo e de seus 12 milhões de habitantes é a própria impermanência. É no bairro do Panamby — uma área emblemática do avanço urbano posta em prática pela iniciativa privada nos início dos anos 1990, e colada à favela de Paraisópolis — que surgirá mais um símbolo da transfiguração infindável da cidade. É o luxuoso hotel Palácio Tangará — situado em um terreno que já teve de tudo: chácara, devaneios de amor de um industrial e de uma nobre alemã, brigas com a prefeitura e um projeto com envolvimento da Previ. A abertura está prevista para maio.

O Palácio Tangará será o primeiro hotel da categoria “luxo premium” da cidade. Serão 141 apartamentos com diárias entre 1.575 e 9.630 reais. EXAME Hoje visitou as obras do local, que seguem em ritmo acelerado, e pôde verificar as facilidades que estarão disponíveis: um moderno centro de fitness, spa, duas piscinas (uma delas no subsolo do hotel), salas de reunião, salão de festas para 530 convidados — que já começou a ser procurado para casamentos — e um espaço exclusivo de entretenimento para crianças.

Na gastronomia, o bar, o lounge bar e o restaurante contarão com a assinatura de Jean-George Vongerichten, dono de 30 restaurantes pelo mundo, sendo o principal deles um estabelecimento com três estrelas no Guia Michelin que leva o seu nome, em Nova York. Para o transporte de hóspedes e convidados, veículos Mercedes-Benz estarão disponíveis — embora também haverá a possibilidade de alugar uma Ferrari ou uma moto Harley-Davidson, por exemplo.

“No final do dia, o típico hóspede corporativo está louco para voltar ao quarto de hotel. O que nós queremos é que os hóspedes estejam loucos para voltar ao hotel e não apenas ao quarto”, afirma Celso David do Valle, diretor geral do Palácio Tangará. Além da possibilidade de tomar um coquetel à beira da piscina ou agendar uma hora de massagem no spa, a aposta no sucesso do empreendimento está em sua localização, cercado pela vegetação nativa do Parque Burle Marx, além da sua linha arquitetônica neoclássica, lembrando, de fato, um palácio. “É uma situação única na cidade. O hóspede se sente praticamente num resort. É um oásis de tranquilidade em São Paulo. Não se ouve um barulho aqui”, diz Valle.

A história da região é uma trajetória comum no desenvolvimento acelerado da cidade, em que sonhos e demolições surgem com a mesma velocidade. O local era uma propriedade, a chácara Tangará, do industrial, playboy e jet setter Baby Pignatari, um membro do clã Matarazzo. Nos anos 1950, Pignatari encomendou a Oscar Niemeyer uma residência para ele e sua segunda esposa. O casamento naufragou e o projeto foi paralisado.

No começo da década de 1960, Pignatari tentou retomar a obra como presente para a sua terceira mulher, a atriz, socialite e princesa alemã Ira von Fürstenberg. Acostumada com as praias do sul da França e os castelos da Baviera, ela se recusou a morar em local que, quando pronto, pareceria mais com uma fazenda do que com um palácio. Do projeto original, sobreviveu apenas o jardim (hoje público) quadriculado de Burle Marx — reformado com o surgimento do parque a partir do acordo entre os criadores do empreendimento imobiliário do Panamby com a prefeitura, nos anos 1990.

A ideia de um hotel no terreno contíguo ao parque data de 1999. Na época, a construtora Birmann e o fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil, a Previ, se juntaram para abrir um spa de luxo no local. Com os problemas financeiros enfrentados pela construtora, o projeto foi paralisado três anos depois. Sobrou apenas um esqueleto de concreto no local. O gigante neoclássico abandonado fez parte da paisagem do parque até 2013, quando o fundo americano GTIS comprou o terreno e o prédio, decidindo por terminar o projeto do hotel.

Redes do luxo
Apesar do investimento inicial, cujo valor não foi revelado, ser do fundo GTIS, a construção e futura operação do hotel ficará a cargo da Oetker Collection, o braço hoteleiro do conglomerado alemão Oetker — dono, entre outros coisas, de fermento e gelatina em pó e da empresa de transporte marítimo Hamburg Süd. O Tangará será o nono hotel do grupo, o primeiro na América Latina — com exceção de um empreendimento no Caribe. Entre as famosas propriedades da Oetker Collection está o lendário Hotel du Cap-Eden-Roc, na riviera francesa, que abriga celebridades desde os anos 1920 e foi imortalizado pelo escritor F. Scott Fitzgerald no romance Suave é a Noite, de 1934, como o Hotel dos Estrangeiros.

“Fazia tempo que São Paulo merecia e precisava de um hotel de luxo como o Palácio Tangará. Algo que tenha história e extremo bom gosto”, afirma Carlos Bernardo, professor do curso de Hotelaria da Universidade Anhembi Morumbi. Segundo Bernardo, os hotéis de São Paulo classificado como upscale — Fasano, Emiliano e Unique — embora sejam hotéis de altíssimo padrão, não atendem ao gostos de uma parcela mais refinada e exigente de clientes. “Não se trata apenas de sheiks árabes e chefes de estado, mas empresários muito bem-sucedidos que, em vez de irem ao exterior para fecharem seus negócios, poderão fazer seus negócios por aqui”, diz.

Outras grandes redes internacionais também perceberam que havia uma demanda reprimida por hotéis de “luxo premium” em São Paulo. A Rosewood Hotels, por exemplo, deve inaugurar em 2019 um hotel com 150 quartos na Cidade Matarazzo — o projeto de 1,5 bilhão de reais de requalificação do antigo hospital próximo da Avenida Paulista. A arquitetura será do vencedor do prêmio Pritzker Jean Nouvel e decoração do badalado designer Philippe Starck. Antes disso, em 2018, será a vez da rede canadense Four Seasons abrir sua unidade em São Paulo, em uma nova região de prédios comerciais criada pela Odebrecht e chamada de Parque da Cidade.

“A chegada dessas novas redes também mostra que é importante não descuidar de um público que preza pela qualidade do serviço”, diz Bernardo. Segundo o professor de hotelaria, as inaugurações recentes no mercado brasileiro tinham uma preocupação em demasia com estadas de baixo custo e em como atrair a geração Y.

Mas os números mostram que é possível crescer no setor dos super-ricos. Segundo a consultoria Zion Market, especializada em hotelaria, o setor de hotéis de luxo deve se expandir no mundo nos próximos anos. A projeção é que o mercado cresça de 158 bilhões de dólares em 2016 para 194 bilhões em 2021. O motivo para o crescimento, segundo a empresa, é que o estilo de vida dos países mais ricos tende a aumentar nos países emergentes, pressionando a necessidade de hotéis de luxo para férias e reuniões de negócio.

Apesar de futuros concorrentes, o diretor geral do Tangará acredita que há espaço para todos na cidade de São Paulo, que se firmará de vez com um destino tanto de estrangeiros como dos endinheirados brasileiros. O Brasil tem 155.000 milionários e 64.500 estão na cidade — sendo 950 deles com uma fortuna superior a 30 milhões de dólares, segundo a consultoria Knight Frank Research.

Com clientes desse nível socieconômico, a preocupação mesmo é, por enquanto, com a experiência que será oferecida quando o hotel abrir. “O bem-estar não é o algodão egípcio no lençol, o travesseiro de pluma de ganso ou o Jean-George comandando nossa gastronomia. O momento da verdade está em propiciar uma experiência única ao hóspede”, diz Valle. Só que com um pressão adicional no caso de hotéis como o Tangará: “não ser uma experiência boa, é péssimo. Nota 7 não é para este empreendimento”. Ainda mais com uma conta que pode passar de 9.000 reais.

Fonte: Exame

Bairro de Miami que inspira projeto de Doria obtém lucro com grafite de rua

31_miami

Era uma vez uma imensidão de galpões abandonados, de janelas lacradas, cegas à paisagem cinza recortada por cercas de arame farpado. Wynwood, hoje o bairro mais colorido de Miami, em nada lembra aquilo que já foi um dia.

No fim da década de 1990, o distrito do balneário americano que o prefeito João Doria (PSDB) mira como modelo do “grafitódromo” que quer implantar na capital paulista era um descampado urbano -a antiga zona industrial perdeu suas fábricas para a China e ninguém se atrevia a andar por suas calçadas.

“Não tinha gente por lá, era desolador. Era impossível tomar um café na rua”, lembra David Lombardi, primeiro empresário a desbravar há 20 anos aquilo que mais tarde viraria um shopping a céu aberto decorado por murais de grafiteiros badalados. “Sem querer, descobri uma cena artística ali que poderia acontecer.”

Lombardi então usou a tal cena como maior arma de seu projeto de maquiagem urbana. Deixou que grafiteiros pintassem todos os prédios dos quatro quarteirões que comprou e logo passou a alugar os antigos galpões do bairro para galerias de arte -o bairro chegou a ter 60 delas.

Na sequência, vieram restaurantes estrelados e butiques de luxo. Também vieram outros especuladores, como Tony Goldman, que “gourmetizou” a onda grafiteira convocando Jeffrey Deitch, poderoso galerista nova-iorquino, para fazer uma seleção dos melhores e mais rentáveis nomes para colorir as fachadas -as chamadas Wynwood Walls hoje atraem mais de 1 milhão de visitantes ao bairro a cada ano.

Wynwood foi de cenário de filme de terror a meca hipster pelas mãos desses dois homens. Agora, entra no estágio final de evolução com o projeto do israelense Moishe Mana, que comprou as últimas quadras do bairro já com planos de erguer museus inteiros, com mais paredes entregues aos jatos de spray.

Enquanto isso, desde que Doria iniciou seu programa zeladoria urbana, a cidade de São Paulo tem presenciado uma verdadeira “guerra do spray “. O prefeito promete agora criar lei para punir pichadores com multas de até R$ 50 mil, uma forma de desestimular essa prática.

LOUVRE NA SARJETA

“Será a maior instituição de arte do mundo, com 250 mil metros quadrados”, diz um extasiado Gene Lemay, presidente executivo do projeto de Mana. “É maior do que o Louvre e o Metropolitan.”

Esse espírito empreendedor grandiloquente vem sendo turbinado desde a virada do milênio pela Art Basel Miami Beach, evento suíço que abriu na cidade americana o que veio a ser a maior feira de arte dos Estados Unidos.

Ou seja, aquilo que Doria quer criar em São Paulo com respaldo da máquina pública é dominado pela iniciativa privada em Miami. Wynwood se tornou tão lucrativa que os empresários do bairro bancam do próprio bolso a limpeza das ruas e o reforço da segurança, já que, segundo eles, a prefeitura há tempos abandonou a região.

Só agora, quase duas décadas depois, o governo local quer implementar uma lei para submeter projetos de murais em locais públicos à aprovação de um conselho -até aqui, os proprietários decidem o que fazer com as fachadas.

Mas Wynwood, adianta a vice-diretora de planejamento urbano de Miami, Luciana Gonzalez, ficará de fora da regra, talvez porque ali o sistema não parece incomodar.

David Snow, chefe do departamento de urbanismo de Miami, diz que a “arte não é regulamentada pela cidade”. Também não faz distinção entre pichação e grafite. Tudo que não tenha sido autorizado pelo dono do imóvel, segundo Snow, é vandalismo.

Não é um problema das ruas coloridas de Wynwood, onde empreiteiros vêm até construindo prédios com aluguéis mais baratos para quem se dispõe a sair grafitando galpões.

Fonte: Folha de São Paulo

Restaurant Week. Os menus de luxo a 20 euros estão de volta (e trazem novidades)

8_luxo

Eis que chegaram as semanas mais aguardadas pelos amantes do bem-comer. A nova edição da Restaurant Week volta a trazer menus especiais em mais de cem restaurantes que participam no evento, que decorre até dia 12 de março.

“Esta é uma forma de democratizar o acesso a restaurantes ditos de luxo”, explica Sérgio Sequeira, responsável pelo The Fork em Portugal, empresa responsável pela organização do evento. Assim, durante duas semanas, pelo valor fixo de 20 euros, os clientes têm direito a um menu elaborado pelos restaurantes e que engloba sempre uma entrada, um prato principal e uma sobremesa (exceção feita às bebidas, que são pagas à parte).

A edição de 2016 já tinha deixado de ser exclusiva de Lisboa e Porto, mas este ano conta com a participação de restaurantes de 20 cidades distribuídas pelos distritos de Lisboa, Porto, Aveiro, Coimbra, Leiria, Évora, Beja, Faro e Funchal. Ao contemplar mais cidades, o evento conta também com uma lista de restaurantes alargada que conta com 20 novas entradas. É o caso do Delfina e do Café Portugal, em Lisboa, o LSD no Porto ou o Vila Tamariz no Estoril.

A lista de espaços aderentes pode ser consultada através do site ou aplicação do The Fork, plataformas que também devem ser usadas para fazer reservas.

Existem dois períodos para fazer a reserva: o primeiro decorreu até dia 1 de março e foi reservado a clientes Millennium, que para usufruir desta prioridade apenas tiveram de fazer o pagamento com o cartão do banco. Para os restantes, as marcações podem ser feitas para a semana entre 2 e 12 de março.

O evento tem tido um crescimento constante e, segundo dados da organização, no ano passado chegou perto dos 30 mil clientes. “A componente solidária chama muita gente”, acredita Sérgio Sequeira. Isto porque, por cada menu de 20 euros, um euro é doado a instituições de solidariedade. A Acreditar, que ajuda as famílias de crianças com cancro, e a Casa Mimar, um centro temporário de acolhimento de crianças em perigo, foram as escolhidas deste ano.

Fonte: Sol.sapo

Três pilares das casas de luxo podem desaparecer em 20 anos

15_luxo

(Bloomberg) — Algumas amenidades imobiliárias são eternas — uma vista panorâmica para o Central Park, por exemplo, ou um porteiro que sabe quem é seu motorista preferido. Outras, no entanto, podem ser surpreendentemente fugazes: o que hoje parece um must poderia desaparecer dos empreendimentos de amanhã. A seguir, três itens básicos e inesperados do mercado de imóveis de luxo que, segundo projeções de especialistas, poderiam se tornar obsoletos em breve.

O home theater

O mercado de home theater dos EUA chegou a US$ 1,4 bilhão em 2015, um aumento de mais de 50 por cento desde o mesmo período em 2010, segundo a Cedia, associação comercial para empresas de tecnologia doméstica. Claro que já não basta instalar uma tela gigantesca e um projetor digital: os verdadeiros cinéfilos podem construir sua própria sala Imax por US$ 1 milhão e assinar o Prima Cinema, um serviço estilo Netflix para a fatia de 1 por cento que aluga lançamentos por US$ 500.

Mas esse investimento poderia estar com os dias contados, pelo menos de acordo com o arquiteto Duan Tran, da KAA Design. “Nossos clientes estão pedindo ambientes de realidade virtual completamente envolventes porque eles estão muito ocupados e querem uma dose mais elevada de escapismo”, disse Tran em uma entrevista por telefone, de seu escritório em Los Angeles.

A suíte principal

Suítes enormes já foram o maior troféu de uma casa luxuosa, mas incorporações recentes vêm substituindo esses quartos sem paredes, estilo loft, por um complexo de câmaras privadas, montadas ao redor de um espaço menor e mais aconchegante que abriga apenas a cama. Roy Kim, da Douglas Elliman, usa como exemplo o Park Grove de Miami, projetado por Rem Koolhas. “Você verá uma antessala, como um estúdio ou uma biblioteca, além de um grande closed e um banheiro que parece um spa”, disse Kim em entrevista por telefone, da Califórnia. “As pessoas já não querem entrar sem cerimônia em uma suíte principal e ver a cama — criar privacidade nunca foi tão importante.”

Cozinhas de revista

De acordo com Jonah Disend, fundador da empresa de inovação Redscout, cozinhas complexas que ocupam um lugar central, assim como as suítes principais, são outra das amenidades que estão na lista das espécies em extinção nas casas de alto nível. Em parte, isso se deve a que os serviços de entrega como Blue Apron ou Amazon Prime Now vão minimizar a necessidade de armazenar qualquer coisa além do indispensável, junto com novas amenidades como cozinha centralizada e catering dentro de um empreendimento imobiliário. Um exemplo é o 432 Park Avenue, de Rafael Viñoly, onde Shaun Hergatt, chef premiado com estrelas Michelin, vai comandar um restaurante exclusivo para os moradores, oferecendo o suprassumo das comidas de luxo para levar.

Fonte: UOL

Saiba tudo sobre o novo momento do Turismo de luxo

30_turismo

O conceito de luxo mudou no Turismo. Tendências vêm e vão, e agora o momento é totalmente das experiências, do sentido, da lealdade e até do amor. A última edição da ILTM Cannes mostrou que a riqueza dos tempos antigos não faz mais parte do universo das viagens de alto padrão. Expositores e compradores brasileiros estiveram presentes na feira mais importante do segmento, na França, e o Jornal PANROTAS dessa semana aponta que experiências são essas que os players do luxo tanto têm procurado para seus clientes.

Por falar em experiências e em luxo, o JP 1.251 também traz um lindíssimo roteiro de vinho no Vale do Colchagua. O enoturismo nunca sai de moda, e o Chile, tão perto e com boa conexão aérea, é um destino perfeito para apreciar belas paisagens e curtir, no sentido completo, um bom vinho. Desde a história da bebida à sua fabricação, veja o que o Vale do Colchagua oferece de melhor em termos de vinhos, paisagens e cultura.

Também nesta edição:

– CVC de R$ 9 bilhões: como foi 2016 para o grupo, que comprou a Experimento nos últimos dias de 2016;

– MSC Cruzeiros já de olho na temporada 2017/2018; Armadora promete novidades;

– Verão na Argentina: confira as principais dicas para curtir o calor do destino;

– Entrevista com o ministro do Turismo, Marx Beltrão;

– A movimentação de mercado no Surface, PANROTAS Corporativo e muito mais.
O JP 1.251 começa a circular nessa semana nas principais operadoras e agências de viagens de todo o Brasil, mas você pode acompanhar a versão digital completa abaixo. Boa leitura.

 

Fonte: PANROTAS

Idea!Zarvos lança imóvel de luxo em Higienópolis, São Paulo

Luxo, arquitetura, design e sustentabilidade se unem de uma forma simplesmente perfeita.

Idea Zarvos Itacolomi 445 fachada

Idea!Zarvos, ícone da arquitetura contemporânea e conhecida por apostar na estética e na busca por soluções urbanísticas e sustentáveis na construção de prédios únicos na região da Vila Madalena (São Paulo) , lança seu primeiro imóvel no bairro de Higienópolis.

Com apenas 6 unidades, todas duplex, com áreas a partir de 300m², sala de estar com pé-direito duplo e planta totalmente flexível, o Itacolomi 445 fica na rua Itacolomi, entre as ruas Alagoas e Sergipe, local privilegiado do tradicional bairro paulistano, ideal para quem quer fazer tudo a pé, desde dar uma volta na Praça Buenos Aires, ir para a academia ou jantar em um dos restaurantes bacanas de Higienópolis.

Além dos diferenciais que envolvem toda a criação do empreendimento, que foi um projeto doGrupo SP, um de seus diferenciais é a vantagem de ser um prédio novo, em uma região carente de lançamentos, e principalmente por suas várias vagas de garagem e depósitos, o que é raro no bairro, ja que muitos dos edifícios são antigos e deficientes nesses quesitos.

Conhecida por ser mais que uma incorporadora, a Idea!Zarvos é uma agência de ideias que reúne e gerencia parceiros para construção de edifícios de arquitetura contemporânea, que respeitem não apenas quem irá habitá-lo, mas também o vizinho, o bairro, a cidade. A agência se destaca por estudar e entender as transformações pelas quais a cidade está passando e busca identificar os desejos e necessidades das pessoas.

Idea!Zarvos possui também uma galeria com obras expostas e à venda, na Vila Madalena, local que costuma reunir arquitetos, urbanistas, empreendedores, artistas e pessoas com propostas inovadoras para debates e palestras com o propósito de incentivar a reflexão e ajudar a fomentar ideias que possam melhorar a qualidade de vida do bairro e, possivelmente, de toda a cidade.

Conheça mais detalhes sobre o Itacolomi 445 clicando aqui.

Idea Zarvos Itacolomi 445 piscina

Idea Zarvos Itacolomi quarto

Idea Zarvos Itacolomi fachada

Fonte: Blog Infinit e luxury