Como declarar imóveis no Imposto de Renda 2017

31_corretor

São Paulo – Operações como a compra, venda, doação e posse de imóveis devem ser declaradas no Imposto de Renda 2017.

A posse de imóveis que custem mais do que 300 mil reais, inclusive, é uma das condições que obriga o contribuinte a apresentar a declaração deste ano.

Os imóveis devem ser informados na ficha de “Bens e Direitos” do programa gerador da declaração, com o código específico do bem, de acordo com a definição que consta na escritura do imóvel. Apartamentos, por exemplo, são declarados com o código 11, enquanto casas são declaradas com o código 12 e terrenos com o código 13.

O valor declarado deve ser apenas o que contribuinte efetivamente pagou pelo imóvel até o dia 31 de dezembro de 2016, incluindo o Imposto de Transmissão de Bens Imóveis (ITBI), se for o caso, assim como os juros do financiamento e a taxa de corretagem paga na compra do imóvel.

Portanto, o contribuinte deve declarar o imóvel sempre pelo seu valor de aquisição, sem atualizar seu preço diante de eventuais valorizações de mercado ou de acordo com a variação de índices de inflação.

Existe apenas uma exceção que permite a alteração do valor do imóvel: a realização de reformas no bem. Se forem realizadas reformas, pinturas e reparos, por exemplo, é possível acrescentar esses custos ao valor do imóvel, desde que eles possam ser comprovados.

Essas despesas devem ser informadas na declaração referente ao ano em que foram realizadas. Caso o contribuinte tenha se esquecido de declará-las no ano correspondente, elas podem ser acrescentadas na declaração daquele ano por meio de uma declaração retificadora.

No campo “Discriminação”, devem ser incluídos os seguintes dados: se o imóvel foi comprado ou doado, a data da compra ou da doação, quem foi o vendedor ou doador (com CNPJ ou CPF), se está quitado e se foi financiado. Neste último caso devem ser incluídas também as seguintes informações: em qual banco foi feito o financiamento, quantas parcelas já foram pagas e quantas restam a pagar.

Imóvel financiado em 2016

Se você financiou a compra do seu imóvel em 2016, a operação deve ser declarada na ficha de Bens e Direitos, e não na ficha de “Dívidas e Ônus Reais”.

Para isso, basta abrir a ficha e clicar em “Novo” no canto inferior direito da tela. Em seguida, selecione o código do bem e o país de localização.

No campo “Discriminação”, além de informar que a compra do imóvel foi financiada, a data da compra e quem foi o vendedor (com seu CNPJ~ou CPF), é preciso informar qual banco concedeu o crédito, além do número de parcelas já pagas e o número de prestações que resta pagar.

Como o imóvel foi comprado no ano passado, no campo “Situação em 31/12/2015” coloque “0,00”. Já no campo “Situação em 31/12/2016” coloque apenas o valor já pago pelo imóvel até a data, que seria a soma entre o valor de entrada, o valor das parcelas pagas no ano e os custos extras, como o ITBI e a corretagem pagos em 2016, bem como eventuais reformas.

Você deve declarar apenas o valor já pago e não o preço total da compra do imóvel porque a Receita está mais interessada em saber se a renda que você irá declarar é compatível com a compra do imóvel do que em saber qual o valor do bem.

Caso você informe no campo “Situação em 31/12/2016” um valor de compra do imóvel de 500 mil reais, por exemplo, sendo que você pagou apenas 150 mil reais em 2015, a Receita Federal pode achar que uma compra de 500 mil reais é incompatível com os salários que você recebeu no ano, o que pode te levar à malha fina.

Imóvel financiado que já foi declarado

Se em 2016 você continuou a pagar as parcelas do financiamento do imóvel, o valor informado deve corresponder apenas ao montante que já foi pago até o ano passado, e não o valor total do bem.

Na coluna “Situação em 31/12/2015”, portanto, informe os valores pagos até essa data e na coluna “Situação em 31/12/2016” inclua os valores pagos até 31/12/2015, somados às prestações pagas em 2016.

Enquanto o financiamento durar, esse processo deve ser repetido na declaração até que o imóvel seja quitado. Apenas quando o financiamento acabar o valor a ser declarado pelo imóvel será o total desembolsado ao longo dos anos de financiamento.

No campo discriminação, informe o valor das parcelas pagas em 2016 e das parcelas pagas até o ano anterior.

Imóvel quitado que já foi declarado

Se você já tinha um imóvel quitado antes de 2016 e já o declarava, basta repetir seu valor nas colunas “Situação em 31/12/2015” e “Situação em 31/12/2016”.

O valor informado deve ser o mesmo que consta na escritura e só pode ser alterado se for necessário acrescentar despesas realizadas com reformas no imóvel, gastos com corretagem, juros de financiamento e Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis (ITBI).

Se o imóvel já era declarado antes de 2016, mas o contribuinte só se lembrou de declarar o valor do ITBI e da corretagem agora, esses custos devem ser incluídos na declaração referente ao ano em que essas despesas aconteceram, por meio de uma declaração retificadora.

Imóvel comprado antes de 2016, mas que não foi declarado

Contribuintes que eram incluídos como dependentes ou que não eram obrigados a entregar a declaração no ano passado e passarão a fazer sua própria declaração neste ano devem informar os imóveis que já faziam parte de seu patrimônio antes de 2016.

O procedimento a ser seguido é o mesmo dos tópicos anteriores, mas, como o imóvel já fazia parte do patrimônio do contribuinte antes de 2016, a coluna “Situação em 31/12/2015” não deve ficar em branco e deve ser preenchida com os valores pagos até então ou com o valor total do imóvel, conforme o caso.

Imóvel em nome de mais de uma pessoa e de casais unidos pelo regime de separação total de bens

Imóveis comprados por mais de uma pessoa ou por casais unidos pelo regime de separação total de bens devem ser declarados por todos os proprietários. O valor informado deve corresponder ao valor pago por cada um, correspondente à sua parte no imóvel.

Se dois irmãos compraram um imóvel em conjunto e cada um possui 50% da propriedade, por exemplo, ambos devem informar nas respectivas declarações o valor proporcional à sua posse.

Imóvel comprado por casais unidos pelo regime de comunhão parcial ou total de bens

Se o casal declara o Imposto de Renda separadamente os imóveis que são considerados bens comuns devem ser informados integralmente na declaração de um dos dois.

Na comunhão parcial, são considerados bens comuns todos aqueles bens pagos durante a união por um dos cônjuges ou por ambos. Já na comunhão total todos os bens são considerados comuns, inclusive aqueles anteriores à união.

Assim, no regime parcial (que é o regime que vigora automaticamente quando nenhum outro é definido por pacto antenupcial) mesmo que os cônjuges declarem o IR separadamente o imóvel entra em apenas uma declaração porque a Receita apura as declarações do casal como se fosse um formulário único.

No campo discriminação, basta informar que o imóvel foi comprado junto com o cônjuge.

Imóveis recebidos por doação

Quem recebeu um imóvel por doação deve informar o bem na ficha “Bens e Direitos” da declaração, descrevendo os dados pessoais do doador, como nome e CPF, no campo “Discriminação”. Para doações recebidas em 2016, o campo referente a 2015 deve ficar em branco e o campo de 2016 deve incluir o valor do imóvel.

O valor do imóvel também deve ser declarado na ficha “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis”, na linha “10 -Transferências Patrimoniais – Doações e Heranças”. Nos anos seguintes ao recebimento da doação a informação não deverá mais ser incluída nesta ficha: basta manter as informações incluídas na ficha “Bens e Direitos”.

Já o doador deve informar o imóvel doado na ficha de “Bens e Direitos” e os dados de quem recebeu a doação no campo “Discriminação” na declaração referente ao ano em que fez a doação. Para doações feitas em 2016, o valor que já constava no campo “Situação em 31/12/2015” deve ser mantido e o campo “Situação em 31/12/2016” deve ser deixado em branco.

O doador também deve informar a doação na ficha “Doações Efetuadas”, descrevendo o tipo de imóvel, seu valor e os dados de quem recebeu o bem doado. Nas próximas declarações, o doador já não precisará declarar nenhuma informação referente ao imóvel doado, em nenhuma das duas fichas.

Reformas e melhorias feitas no imóvel

Gastos com reformas e melhorias no imóvel podem ser adicionados ao valor do bem desde que possam ser comprovados.

As benfeitorias realizadas em 2016 devem ser incluídas no campo “Discriminação”, junto com as outras informações sobre o imóvel. A coluna de 2015 deve mostrar o valor do imóvel antes das reformas, e a coluna em 2016 deve registrar o seu valor com o acréscimo do valor das reformas.

Fonte: Exame

Imóveis: Melhora no mercado de alto padrão

22_luxo

Para Jerônimo Neto, 2o vice-presidente do Creci-CE, a tendência é que o mercado imobiliário melhore, principalmente dos de primeira linha. “O que a gente está vendo muito por aí, é as pessoas buscando um financiamento pelo Minha Casa, Minha vida, com imóveis de até R$ 300 mil. O mercado hoje está saturado com esse valor, porque esse tipo de cliente só vai sair do aluguel para um financiamento de 100 mil ou 200 mil, pagando uma parcela de R$ 1.500 a R$ 2.000, por exemplo. Esse recurso vai trazer de volta esse nicho de cliente que quer buscar recurso mais fácil para financiar seu imóvel”.

Júnior Melo, diretor comercial da Normatel Incorporações, conta que ainda é muito cedo para avaliar os impactos desta ação na economia, mas sem mantém otimista em relação ao aquecimento do mercado. “A gente não consegue mensurar o impacto disso ainda, pois não temos ideia do quanto será injetado na economia cearense. É diferente quando a Caixa libera R$ 10 milhões para a construção civil e, desse valor, uma parte vem para o nordeste, por exemplo. Mas nesse momento, que está todo mundo apertado, esse recurso será muito bem-vindo”.

Segundo o diretor, a mudança ainda não alterou o calendário comercial da incorporação, mas ele não descarta medidas de acordo com o potencial da demanda. “A gente já vem percebendo um movimento interessante no comércio, um amento da confiança do consumidor. À medida que fomos vendo uma movimentação mais forte, nada impede que utilizemos ações mais agressivas para atrair o cliente”.

Fonte: O Povo

Qual o melhor bairro para morar?

20_corretor

O lugar escolhido para morar tem muita influência na qualidade de vida. A escolha deve respeitar critérios definidos antes mesmo de começar a buscar novo imóvel e inclui tanto a negociação de compra como a área que atenda melhor as necessidades diárias. Pensando nisso, o portal imobiliário VivaReal reuniu nove dicas para ajudar a encontrar o melhor bairro para residir. Confira abaixo.

1. Entenda quais são os seus deslocamentos mais frequentes

A rotina determina seu conforto e qualidade de vida em um bairro. Para quem vive em um grande centro urbano, os deslocamentos entre os pontos que precisam ser visitados diariamente são mais ou menos estressantes, conforme as necessidades de enfrentar o trânsito.Por isso, é importante ter em mente como esses deslocamentos são feitos, com qual frequência eles acontecem e em que medida podem ou não ser alterados. Com base nisso, você deve escolher o bairro que melhor se encaixa nessa logística diária. Você também pode levar em conta algumas mudanças, como as sugeridas na próxima dica.

2. Prefira o bairro que permita deslocamentos menores ou mais fáceis

Suponha que o seu local de trabalho não possa ser alterado, o que provavelmente acontece na maioria dos casos. Isso significa que um bairro mais próximo à empresa ou que tenha boas vias de acesso deve ser mais conveniente do que outro que não apresente essas qualidades. Se for esse o caso, você pode pensar em outras necessidades de deslocamento e até alterar aquelas que forem possíveis. Por exemplo, escolha um bairro que tenha mercados, academias e comércio. A conveniência de ter esses locais ao redor com certeza facilitará sua rotina.

3. Valorize os centros comerciais

Como vimos na dica anterior, a proximidade com relação aos centros comerciais e aos locais de lazer pode ser conveniente para evitar tantos deslocamentos. Se você morar perto de um supermercado, poderá fazer suas compras com maior frequência, na medida da sua necessidade. Assim, se precisar de uma garrafa de vinho ou se o café acabar, talvez você não precise nem tirar o carro da garagem para fazer as compras.Considere o mesmo para bancos, farmácias e outras lojas de produtos e prestadores de serviços. Aliás, vale dizer que, atualmente, os urbanistas percebem que quanto mais os bairros possuem essas conveniências, mais saudável se torna a vida urbana.

4. Observe a infraestrutura

Um bairro autossuficiente é um aspecto muito interessante que merece ser valorizado. Porém, autossuficiência não significa isolamento, o que quer dizer que você também deve prestar atenção na oferta de transporte público para o bairro. Mesmo para quem não utiliza o transporte público, é preciso considerar que outras pessoas podem precisar dela, como ocorre com os empregados domésticos e outros prestadores de serviço e até visitantes.Preste atenção na qualidade da iluminação pública, das vias de acesso e dos demais equipamentos urbanos. Outro aspecto que deve ser valorizado é a presença de parques, jardins e áreas verdes, que não só tornam o lugar mais bonito, como também influenciam na qualidade do ar e do clima local e podem servir como ótimas alternativas de lazer e para a prática de esportes ao ar livre.

5. Fique de olho na vizinhança

Da mesma forma que uma boa vizinhança pode tornar um bairro um ótimo local para se viver, ter vizinhos ruins pode significar um transtorno incontornável. Por isso, é fundamental conhecer bem a vizinhança, observando tanto as pessoas que moram ali, quanto às atividades empresariais que possam ser desenvolvidas na região.Nesse sentido, você deve considerar suas preferências pessoais. Afinal, há quem considere uma boa vizinhança aquela que é tranquila e que respeita os horários e as regras da vida em comunidade. Também há quem prefira as vizinhanças mais agitadas, menos afeitas a padrões de comportamento pré-definidos. Qualquer que seja a sua preferência, procure um bairro que seja adequado ao seu estilo de vida.

6. Atente-se para a qualidade das construções

O conjunto das construções de um bairro define a qualidade de vida ali e diz muito sobre as pessoas que vivem no local. De modo geral, lugares onde as construções são mal conservadas costumam valer menos do que aqueles onde as fachadas são bem cuidadas e os jardins se encontram bem tratados, o que pode até se tornar um atrativo financeiro. Porém, é possível que a vivência diária em um lugar onde as construções não são muito boas seja também menos agradável do que seria nos lugares onde os prédios são mantidos em melhores condições.

7. Caminhe pelas ruas e converse com as pessoas

Uma excelente maneira de conhecer um bairro é caminhando pelas suas ruas. Assim, você não só poderá observar de perto as características da vizinhança, como também poderá conversar com as pessoas sobre o dia a dia do lugar.Tenha a certeza de que uma boa conversa de calçada pode revelar muito mais sobre um bairro do que a melhor descrição de um corretor.

8. Não abra mão da segurança

Atualmente, a segurança é um aspecto que deve ser considerado como essencial. Por isso, preste muita atenção na infraestrutura de segurança que o bairro oferece.Naturalmente, os locais bem iluminados, onde há a presença de câmeras de segurança públicas ou particulares e que contam com policiamento ostensivo, são mais seguros do que outros que não possuem essas características.

9. Faça as visitas em horários alternados

Por fim, para ter certeza de que a sua escolha realmente recairá sobre o melhor bairro para morar, procure visitá-lo em horários diferentes: durante o dia, à noite e, se possível, até na madrugada. Afinal, ao longo do dia as características de um bairro podem mudar bastante. Por exemplo, o que é tranquilo durante o dia pode se tornar bastante movimentado no período noturno, ou vice-versa.

Fonte: ZH Imóveis

 

Especialista dá 5 dicas para quem está procurando imóveis

10_corretor

Os preços dos imóveis caíram no ano de 2016. Segundo o Índice FipeZap, anunciado no encerramento do ano e que monitora os preços de imóveis de 20 capitais do país, houve uma queda real de 5,48% (descontando a inflação) nos preços do m² por todo o Brasil. Além disso, a inflação vem caindo fortemente. Para quem precisa comprar um imóvel, o cenário está ficando favorável. Porém, muitos são compradores de primeira viagem que não sabem exatamente por onde começar, nem quais os empreendimentos vale a pena investir. Para Mauro Jorge, gerente de vendas de imóveis, o comprador tem que estar atento a cinco itens principais, que devem ser considerados detalhadamente antes de fechar contrato:

1 – Localização
Segundo Mauro, a primeira coisa que o consumidor deve reparar é na localização do empreendimento, que varia conforme o tipo de consumidor. “Para casais que têm filhos, o mais indicado é observar se existem escolas e se o bairro é considerado seguro. Para jovens estudantes, a recomendação é procurar locais próximos a opções de lazer e entretenimento da cidade”. Outro ponto crucial é o transporte. “Se você possui transporte próprio, observe quais as opções de garagem que o empreendimento oferece. Caso dependa do transporte público, veja se existem linhas próximas do seu futuro lar”. Além disso, é importante atentar para comodidades do dia a dia como ir ao supermercados e se existem farmácias e hospitais próximos para emergências.

2 – Incidência solar
Numa cidade de clima quente como Teresina, é essencial pensar em como o sol afeta a região. “Observe qual o lado do nascer e do pôr do sol e prefira aqueles que possuem sombra na parte mais quente do dia”, diz Mauro. Além de proporcionar mais conforto para a família, receber sol pela manhã ajuda a evitar o acúmulo de umidade nas paredes e em alguns casos, a formação de infiltrações no imóvel.

3 – Segurança

A dica é sempre dar um passeio pelo bairro do empreendimento desejado antes de começar as negociações. Verifique se as ruas são bem iluminadas, se existe policiamento ou casos de atividades suspeitas próximas à região. Procure visitá-lo em diferentes horas do dia e converse com moradores do prédio ou da região. Caso o local apresente condições que não sejam favoráveis a sua rotina, procure outras opções junto ao seu corretor.

4 – Priorize o conforto
Ter em mente o conforto é essencial na escolha de um novo lar. Sempre tenham muito claro quais são as suas reais necessidades, como o tamanho da cozinha, sala para receber os amigos e quantos quartos o local possui. Defina suas prioridades e quais espaços da casa são mais importantes para você e invista nisso.

5 – Longo prazo
Mauro ressalta ainda a importância de pensar a longo prazo. “Faça projeções e não pense apenas no agora. Num investimento grande como é a compra de um imóvel, as suas necessidades podem variar conforme o tempo passe. Caso pense em ter filhos, escolha locais com mais de um quarto, por exemplo”, afirma. “Além disso, procure especialistas no mercado como corretores credenciados para ajudá-lo a fazer a melhor escolha”, finaliza.

Fonte: Cidade Verde

Crise aumenta número de permutas no mercado imobiliário

2_mercado-imob

A crise econômico impulsionou uma velha prática de mercado, mas pouco usada no setor imobiliário: a permuta. “As pessoas continuam com vontade de mudar de imóvel, mas, em tempos difíceis, preferem preservar o dinheiro guardado no banco ou simplesmente não tem caixa para investir em uma casa nova”, afirma o diretor comercial da imobiliária Coelho da Fonseca, André Souyoltgis. É nesse cenário que esse tipo de transação ganha espaço.
De acordo com ele, de 2015 até agora, o número de permuta de imóveis cresceu em razão da crise. “2016 foi o ano com o maior número de trocas em dez anos. Fizemos 2,5 vezes mais permutas em 2016 do que em 2015”, diz Souyoltgis, sem no entanto revelar os números dessas negociações.
O negócio ficou tão em alta que a imobiliária Lello precisou criar um campo de busca novo em seu site. “Em agosto, com o número crescente de pedidos, decidimos inserir a opção ‘permuta’ no portal. Assim, quem procura uma casa nova para comprar já consegue saber quais vendedores aceitam outro imóvel em troca”, explica o diretor de vendas da Lello, Igor Freire. “Os proprietários estão mais flexíveis, porque sabem que se não aceitarem um imóvel menor como parte do pagamento, podem ficar muito tempo esperando pelo comprador perfeito”, afirma.
Fernando Araujo Carneiro, de 33 anos, foi um dos que se beneficiaram com a maleabilidade dos vendedores. O eletricista queria sair do apartamento de dois quartos, sala e cozinha para morar em uma casa maior. Chegou a colocar seu imóvel à venda, mas ninguém queria pagar o valor que ele considerava ideal.
Junto com a imobiliária, resolveu apostar na permuta. Encontrou um proprietário que não estava conseguindo vender a casa de R$ 500 mil. “Ele decidiu aceitar meu apartamento e meu carro em troca, porque pelo menos teria uma parte do dinheiro em mãos. Era melhor do que esperar mais tempo pela venda tradicional”, diz Carneiro.
O eletricista ainda obteve um financiamento imobiliário de R$ 200 mil para pagar o restante do valor. “Para a minha família foi excelente. Queríamos mudar para uma casa melhor, com mais quartos e outras facilidades, mas não tínhamos dinheiro nem crédito para isso. A permuta possibilitou a realização do sonho”, conta.
Dificuldades. Nem sempre, porém, é fácil combinar a compra e venda dessa forma. Apesar de a crise ter facilitado a permuta, compradores, vendedores e corretores podem enfrentar alguns percalços no processo.
“É difícil encontrar dois clientes que tenham desejos conciliáveis. O proprietário do imóvel de valor mais baixo precisa achar um outro dono que aceite aquela casa ou apartamento como está”, diz Freire. A dica para a permuta dar certo é aceitar uma depreciação do valor de mercado. “Assim, o vendedor sabe que vai conseguir ganhar alguma coisa quando vender o apartamento que aceitou como parte de pagamento.”
Segundo o CEO da Imobiliária Mirantte, Luiz Carlos Kechichian, ele incentiva seus funcionários a conhecerem muito bem seus clientes. “Às vezes, um comprador precisa ir para uma casa maior, em um bairro mais afastado da cidade, porque a mãe ou a sogra vai se mudar para a residência dele. Então, o corretor pode oferecer a permuta para uma família, que ele saiba que deseja migrar para um apartamento pequeno porque os filhos saíram de casa, por exemplo.”
Motivos. Além da crise e de necessidades pessoais específicas, outras razões que fazem os clientes aceitarem as permutas são a vontade de se livrar de altas taxas condominiais ou IPTU. “Se o vendedor está com dificuldade de achar um comprador que pague em dinheiro a quantia total, é melhor aceitar a troca por um apartamento menor e gastar menos com condomínio e manutenção”, diz Freire.
As permutas – que, na verdade, funcionam como uma compra e venda dupla – são interessantes para as imobiliárias, porque garantem o pagamento de duas comissões, em cima do valor dos dois imóveis. “Por isso, é interessante que corretores se empenhem para realizar esse tipo de negócio”, diz Kechichian.
No entanto, é exatamente a comissão duplicada que pode atrapalhar algumas negociações. Como a pessoa que oferece um imóvel de menor valor como pagamento é, normalmente, a compradora, ela acredita que só a outra ponta é quem deve pagar comissão. “Ela não entende que, na verdade, também está vendendo o imóvel dela, e por isso, deve pagar pela intermediação imobiliária”, diz Freire.
Para convencer os clientes, vale explicar que a permuta também tem vantagens tributárias. “Se a troca é feita entre imóveis de valores iguais, não há cobrança em cima do ganho de capital no imposto de renda; ou então só serão pagos o ganho de capital em cima da diferença entre os dois imóveis”, diz o advogado especialista em direito imobiliário, José Guilherme Siqueira Dias. Veja outras vantagens no quadro acima.

Avalie 

 Velocidade para os dois
Quando um vendedor aceita permuta na negociação, ele pode se livrar mais rápido do imóvel. O mesmo vale para o comprador, que não precisa vender o bem antes de fazer nova aquisição.

Dinheiro no banco
Em vez de esperar muito tempo para vender um apartamento e continuar pagando condomínio e IPTU, por exemplo, o proprietário pode aceitar um imóvel de menor valor. Dessa forma, garante pelo menos uma parte em dinheiro e diminui os gastos com manutenção.

Imposto de renda
Com a permuta, o vendedor só tem ganho de capital em cima da diferença entre um imóvel e outro. Caso seja uma troca “taco a taco”, não há cobrança de imposto de renda em cima da venda.

Duas desvantagens
Vendedor e comprador têm de concordar com a troca; e encontrar a combinação perfeita pode levar tempo. Além disso, é preciso que as duas pontas paguem a comissão da imobiliária.

Operação pode incluir outros bens

A troca de dois imóveis é o tipo de permuta mais comum nas imobiliárias. Mas outros itens também são aceitos – ou pelo menos oferecidos – como parte do pagamento. É o caso de automóveis e motos. “Quando o carro corresponde a uma parte pequena do valor total, os vendedores acabam aceitando”, diz o diretor de vendas da imobiliária Lello, Igor Freire. “É uma prática bem comum nas concessionárias: dar o carro usado como parcela do automóvel novo. Por isso, é comum acontecer na permuta imobiliária também”, diz o diretor comercial da Coelho da Fonseca, André Souyoltgis. O eletricista Fernando Carneiro ofereceu seu Chevrolet Onix 2014 como parte do pagamento do novo sobrado em Itaquera. “Precisava complementar o valor do apartamento, mas não poderia ser em dinheiro porque não conseguiria todo o financiamento pelo banco.” Souyoltgis, diz que é comum os clientes oferecem gado, joias, quadros, esculturas ou outras obras de arte e até avião. “Não são ofertas comuns, mas acontece. E tem gente que aceita.” Segundo o CEO da Imobiliária Mirantte, Luiz Carlos Kechichian, antigamente até linha telefônica era ofertada na compra de um imóvel. “Hoje, as tentativas mais inusitadas são de barras de ouro e títulos do Tesouro, mas é bem difícil dar certo uma permuta dessa.” No entanto, quando a troca envolve o uso desses bens para pagar um imóvel (em vez de imóvel por imóvel) as imobiliárias não podem cobrar comissão. “Como não é considerado intermediação imobiliária, não há comissão.”

Fonte: Estadão

Começa a valer hoje novo limite para compra de imóveis com o FGTS

24_corretor

Começa a valer hoje (20) a resolução do Conselho Monetário Nacional (CMN) que aumentou o limite máximo do valor dos imóveis novos adquiridos por meio do Sistema Financeiro de Habitação (SFH). Até 31 de dezembro deste ano, os mutuários poderão financiar imóveis de até R$ 1,5 milhão, utilizando recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Os financiamentos do SFH cobram juros menores que os demais financiamentos do mercado, de até 12% ao ano. Acima desses valores, valem as normas do Sistema Financeiro Imobiliário (SFI), com taxas mais altas e definidas livremente pelo mercado.

Essa foi a segunda elevação do limite nos últimos três meses. Em novembro, o CMN tinha reajustado o teto de financiamento de R$ 650 mil para R$ 800 mil, na maior parte do país, e de R$ 750 mil para R$ 950 mil no Distrito Federal, em Minas Gerais, no Rio de Janeiro e em São Paulo. O novo teto de R$ 1,5 milhão valerá para todas as regiões do país.

Em nota, o Ministério do Planejamento informou que a medida ampliará o acesso da população às taxas de juros mais baratas e possibilitará a movimentação dos recursos das contas vinculadas do FGTS para o pagamento das prestações.

Fonte: IstoÉ

Mercado de imóveis residenciais apresenta sinais de melhora

mercado-imob

Movimentação do mercado nos últimos meses deixa especialistas otimistas.

Com as mudanças no cenário econômico e a expectativa que agora se torna realidade do início da queda na taxa básica de juros, o mercado imobiliário residencial dá sinais de uma retomada. De acordo com o índice FipeZap, foi registrada alta de 0,12% entre agosto e setembro – maior avanço em 4 meses. O índice mede o preço de imóveis em 20 cidades brasileiras. Tal crescimento deixou empresários do ramo imobiliário otimistas. “O número de propostas recebidas no mês setembro foi 22 % maior que a média mensal do ano e as propostas estão sendo fechadas”, diz Tárik Faraj, sócio da TRK Imóveis, imobiliária especializada na compra e venda de imóveis de luxo em Brasília.

Além do índice FipeZap, outros sinais colaboram para o otimismo no setor. Entre eles, o alívio da inflação, que favorece a redução de juros e a queda da Selic. O Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu baixar os juros básicos da economia de 14,25% para 14% ao ano, um corte de 0,25 ponto percentual. A redução é a primeira da taxa Selic em quatro anos “Com a queda progressiva que se espera da taxa Selic, a rentabilidade da renda fixa e dos Títulos do Tesouro tendem a diminuir, isto está fazendo com que os investidores conservadores voltem a olhar para os imóveis.”, explica Rafael Roda, sócio da TRK Imóveis. É possível perceber ainda o aumento na divulgação de vagas para corretores de imóveis em imobiliárias e incorporadoras, o que confirma a expectativa de recuperação do setor.

O mercado residencial é, historicamente, o primeiro a se recuperar.

O mercado de imóveis para fins de moradia, segundo Tárik, é sempre o primeiro a dar sinais de melhora. “Muitos compradores deste tipo de imóvel estavam esperando uma melhor definição da política econômica para realizarem a compra das suas residências”, afirma Tárik. O mercado residencial é considerado o “gênero de primeira necessidade” de todo o mercado imobiliário. Com um déficit de aproximadamente 6,2 milhões de moradia no Brasil, é compreensível que este seja o termômetro inicial do setor em momentos como o que se vive atualmente.

Período ideal para aquisição de novos imóveis

O cenário dos preços dos imóveis nas principais cidades do Brasil tem sido de estagnação ou queda nos últimos anos. Para o comprador, a recomendação é de estar bastante atento aos preços ofertados para não ser surpreendido com preços mais altos. Com os indicadores começando a dar sinais positivos e empresas do setor constatando um maior número de negociações, é possível que este seja o momento ideal para se beneficiar do menor preço do imóvel. “Há alguns meses, os compradores que estavam com a reserva para a compra do imóvel no banco nem cogitavam deixar de ganhar a rentabilidade oferecida pelas instituições. Hoje, muitos já perceberam que se continuarem com o dinheiro aplicado, podem até ganhar por mais alguns meses com os juros, mas vão encontrar imóveis mais caros quando forem realizar a compra”, explica Faraj.

Fonte: Terra

Alta de 9,05% no valor dos contratos de locação de imóveis residenciais em SP

Alta de 9,05% no valor dos contratos de locação de imóveis residenciais em SP

Segundo levantamento realizado  pelo Secovi-SP  (Sindicato da Habitação), o valor dos contratos de locação de imóveis residenciais registrou alta de  9,05% na cidade entre os meses  de agosto de 2012 e julho de 2013.

O índice medido pelo  IGP-M (Índice Geral de Preços e Mercados) revelou que o percentual é maior que os 5,18% da inflação do  mesmo período no ano passado.

Os contratos de aluguel realizados em julho elevaram-se em média 0,7%, relativamente à situação de mercado de junho de 2013, considerando apenas o sétimo mês do ano.

De acordo com o levantamento da instituição os imóveis que tiveram as maiores altas no mês passado foram as unidades de um dormitório, com aumento de 1,3% no aluguel. Enquanto ocorreu alta de 0,5% os valores de locação das residências de dois quartos e 0,2% nas unidades de três dormitórios.

A garantia mais utilizada nos contratos de locação foram os fiadores, representando 48% do total. Já o depósito de até três aluguéis representou 31,5% dos imóveis locados, já o seguro-fiança foi o instrumento jurídico garantidor de 20,5% das unidades alugadas.

Fonte: comunidade imobex