Queda na inflação faz mercado imobiliário retomar crescimento em 2017

13_meracdo

Após um ano marcado pela crise econômica e política, as previsões para o ano de 2017 são mais positivas. De acordo o Banco Central, a estimativa é de que o índice da inflação diminua para 5,07%, as taxas de juros sejam reduzidas e o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), fique em 1,3%.
A inflação, que voltou com força nos últimos anos, foi uma das principais razões para que o mercado imobiliário ficasse retraído. Entretanto, de acordo com as previsões de especialistas em economia, a inflação está em fase de desaceleração, o que permitirá que os negócios voltem a ficar aquecidos.

A inflação brasileira saiu de 10,7% em 2015 para, aproximadamente, 7,2% em 2016, o que mostra que ela vem caindo, aos poucos. O presidente do Banco Central também informou que tentará atingir uma meta central de inflação de 4,5% estipulada para o próximo ano.

Diante das expectativas otimistas, o Governo Federal está aprovando medidas positivas que atingem diversos segmentos da economia brasileira. O setor imobiliário é um deles. No dia 16 de fevereiro, o Ministério do Planejamento anunciou que o Conselho Monetário Nacional (CMN) aumentou o valor para compra de imóveis usando recursos do FGTS.

No Rio de Janeiro, em São Paulo, Minas Gerais e Distrito Federal, o teto para compra de imóveis usando recursos do FGTS era de R$ 950 mil. Em outras regiões, o valor máximo era de R$ 800 mil. Agora, o valor atual é de R$ 1,5 milhão e deve movimentar especialmente os negócios relacionados a imóveis de alto padrão.

Em 2017, os economistas preveem que o desemprego também irá ceder, o que certamente influenciará positivamente o mercado imobiliário. Com uma economia mais estável, o mercado imobiliário volta a se movimentar, já que os consumidores voltam a ter crédito disponível.
De acordo com especialistas também haverá uma retomada no crescimento da área de construção civil que consequentemente irá favorecer o setor imobiliário, uma vez que os preços mais baratos dos materiais e da mão de obra reduzirão os custos, incentivando lançamentos e também tornando o valor dos imóveis mais acessíveis para uma parcela maior da população.

A recuperação do mercado imobiliário também está diretamente relacionada ao crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), visto que é esse índice que acompanha o comportamento da economia brasileira, assim como mostra todos os bens e serviços feitos no Brasil. O Banco Central acredita num cenário satisfatório durante o ano 2017. A instituição prospecta um crescimento de 1,3% nos próximos meses.

De acordo com dados do Fundo Monetário Internacional (FMI), a expectativa é de que a economia brasileira terá um crescimento satisfatório em 2017. Desta forma, o fundo estima um avanço de 0,5% no PIB, contra uma projeção de crescimento nula feita nos dois últimos levantamentos do órgão.

Como tudo indica, esse ano será marcado pelo retorno das atividades do mercado imobiliário. A época também será favorável para quem deseja adquirir um empreendimento residencial. Segundo especialistas, os que desejam comprar a casa própria devem buscar orientações e o auxílio de imobiliárias especializadas. A Construtora Planeta , por exemplo, atua no mercado imobiliário desde 1998 com experiência e foco em empreendimentos residenciais. A empresa é reconhecida no mercado imobiliário pela excelente qualidade de seus empreendimentos e cumprimento rigoroso dos prazos de entrega.

De acordo com especialistas, esse será o ano para o mercado imobiliário retomar o seu crescimento. A queda da inflação será o grande responsável por esse momento que também trará ótimas oportunidades para a aquisição de empreendimentos residenciais.

Fonte: Dino

Preço dos imóveis dá sinal de desaceleração

agente

A valorização do mercado imobiliário vem perdendo força neste ano, e quem pretende comprar um imóvel usado vai encontrar preços mais estáveis. Segundo dados do portal imobiliário Agente Imóvel, os preços do metro quadrado nas principais cidades do país estão perdendo força.

Continue lendo…

15 cidades veem queda real nos preços dos imóveis à venda

Maior parte das 16 cidades acompanhadas pelo Índice FipeZap viu alta inferior à inflação para seus imóveis em abril; índice tem a menor elevação de sua história
Florianópolis (SC)
Florianópolis: é a primeira vez que tantas cidades do índice têm alta de preços inferior à inflação, o que se traduz em queda real de preços

São Paulo – Em abril, os imóveis à venda no Brasil tiveram a menor alta desde que os preços começaram a ser acompanhados pelo Índice FipeZap, que cobre 16 cidades brasileiras. O metro quadrado dos imóveis anunciados ficou apenas 0,5% mais caro, abaixo da inflação esperada para o mês, de 0,80%, segundo o Boletim Focus do Banco Central. Continue lendo…

Estudo mostra tendência de queda dos aluguéis

Estudo mostra tendência de queda dos aluguéis

A BG&H Real Estate, empresa especializada na busca de pontos comerciais para redes de varejo e franquias, juntamente com a divisão de Inteligência de Mercado da GS&MD – Gouvêa de Souza, lança trimestralmente o Market View. O estudo consiste no levantamento e análise dos valores dos aluguéis, luvas e condomínios, em ruas e shopping centers nas principais cidades do país. Continu lendo …