Após ‘saga’ de quase 20 anos, hotel de luxo abre as portas em parque de SP

10_luxo

Ao abrir as portas hoje, o Palácio Tangará – hotel que pretende se tornar um novo templo do alto luxo em São Paulo – põe fim a uma saga de quase 20 anos que inclui um sonho frustrado de um empresário ambicioso, brigas entre sócios e uma obra que se tornou um “fantasma” que assombrou o Parque Burle Marx, na zona sul de São Paulo, durante 12 anos. Após ser comprado por um fundo americano e ter a administração assumida por um grupo alemão, o hotel inicia as atividades com um novo desafio: enfrentar a atual crise do setor de hospedagem no País.

O projeto, idealizado pela constutora Birmann, que foi referência no desenvolvimento de edifícios comerciais na capital paulista nos anos 1980 e 1990, foi comprado há quatro anos pelo fundo GTIS – antes, era uma sociedade entre o empresário Rafael Birmann e a Previ (fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil).

As obras foram iniciadas em 1998, mas a Birmann entrou em crise em 2000, o que levou à paralisação dos trabalhos em 2001. Uma disputa entre os sócios, aliada à dificuldade em encontrar um novo investidor, deixou a obra parada por mais de uma década. Durante anos, soluções foram buscadas para o projeto – entre os que olharam o ativo esteve a espanhola OHL.

No entanto, foi o americano GTIS que, em 2013, chegou a um acordo com Birmann. O empresário abriu mão do empreendimento para se livrar de dívidas. Já os 49% que pertenciam à Previ foram comprados por R$ 45 milhões, em acordo separado.

O fundo investiu na conclusão das obras – ainda faltavam 30% dos trabalhos – e fechou acordo de administração com a alemã Oetker Collection, referência em hotéis cinco estrelas. Para dirigir o Tangará, veio o executivo Celso do Valle, que participou do início da operação do Emiliano, em 2001.

Luxo. Segundo Valle, o objetivo da Oetker é entregar um novo conceito de luxo em hotelaria ao mercado paulistano. A diária dos quartos vai variar de R$ 1,6 mil a R$ 38 mil – o menor quarto do Tangará tem 47 metros quadrados e a maior suíte, 530 metros quadrados. “Todos os quartos terão vista para o verde do Parque Burle Marx. Ninguém vai abrir a janela e ver uma parede”, garante Valle.

Os hóspedes ainda contarão com duas piscinas aquecidas (uma delas coberta), academia, spa administrado pela francesa Sisley, bar de drinques e um restaurante com cardápio desenvolvido pelo “chef-celebridade” Jean-Georges Vongerichten, entre outros “mimos”.

Para se diferenciar no segmento de luxo – onde enfrentará a concorrência de rivais como Emiliano, Fasano e Unique –, o Palácio Tangará pretende atrair o público paulistano para suas instalações. A meta é que o restaurante, o spa, o bar de drinques e adega possam ser usados por quem não estiver hospedado no hotel. Outra aposta é um espaço de eventos que comporta até 400 pessoas – e já tem 15 casamentos fechados para os próximos meses.

Desafios. Após quase 20 anos em “gestação”, o Palácio Tangará chega não só no meio de uma crise econômica, mas também em um dos piores momentos recentes para o setor hoteleiro. Mesmo em São Paulo, mercado considerado “blindado” pelo turismo de negócios, houve um recuo de 20% em três anos, segundo Diogo Canteras, sócio-diretor da consultoria Hotel Invest. Hoje, segundo a consultoria, a taxa de ocupação dos hotéis em todas as capitais brasileiras está abaixo de 60% – o ponto de equilíbrio médio do setor é de 70%.

Além disso, segundo o consultor, o fator localização também pode pesar contra o Tangará. O bairro do Panamby, onde fica o hotel, costuma registrar engarrafamentos pela manhã – o que pode prejudicar o trajeto de altos executivos a seus locais de trabalho. Embora se trate de um projeto ambicioso, Canteras lembra ainda que há outras marcas consolidadas no segmento luxo na cidade. E a concorrência está prestes a ficar ainda mais pesada, já que a rede Four Seasons tem estreia marcada em São Paulo para 2018.

Fonte: Estadão

Milionária turca investe em hotel de luxo em Lisboa

26_luxo

Apaixonada por Lisboa, e de olho no mercado imobiliário português e nos vistos gold, a empresária Ahu Büyükkusoglu Serter tem no total 20 milhões de euros para investir no país.

Dois milhões de euros é o valor que a empresária turca Ahu Büyükkusoglu Serter, de 43 anos, herdeira de uma das maiores e mais valiosas coleções de arte da Turquia, vai investir para abrir em Portugal um novo hotel de luxo da cadeia Casa dell”Arte Hotel of Arts & Leisure, depois do sucesso das unidades hoteleiras já existentes desde 2007 na paradisíaca baía de Torba, em Bodrum, na Turquia.

Com inauguração marcada já para junho e morada no número 125 do Campo de Santa Clara, num edifício datado de 1783, coberto de azulejos do século XIX e com vista privilegiada para o Panteão e rio Tejo, o Casa dell”Arte Lisbon será o primeiro hotel do grupo fora da Turquia. Com apenas três quartos à disposição dos clientes, a um preço médio superior a 300 euros por noite, o novo hotel terá também, no piso térreo, uma galeria para exposições e um café (abertos ao público) e ainda uma biblioteca especializada em arte. As paredes surgirão forradas com quadros da coleção familiar e a esmagadora maioria dos móveis serão trazidos da Turquia.

O perfil dos futuros hóspedes está identificado: noivos turcos em lua-de-mel em Lisboa, investidores interessados no mercado imobiliário português e nos vistos gold, artistas internacionais, chefs de cozinha e turistas apaixonados por arte.

Além deste prédio na freguesia de São Vicente, o investimento já concretizado estende-se também a mais dois edifícios em Lisboa – na Praça das Flores e em Arroios, para reabilitação e revenda -, estando esta empresária à procura de novos negócios no país, em Lisboa e no Porto, com perspetivas de investir em Portugal mais de 20 milhões de euros nos próximos anos.

O projeto para fazer nascer em Lisboa um luxuoso hotel em que cada quarto terá na sua decoração obras de arte avaliadas, em média, em cem mil euros, surge no âmbito de um novo pacote de cerca de 300 milhões de euros de investimento direto turco em Portugal que será concretizado até ao final de 2017, anunciado pela nova Associação Portuguesa de Cooperação com a Turquia, The Trade Connection. “Os turcos têm muito dinheiro disponível para investir e estão a descobrir que Portugal é um país interessante. A maior parte dos turcos não conhece Portugal nem o potencial do país”, explicou João Pestana Dias, CEO da associação.

Esse era o caso de Ahu Büyükkusoglu Serter quando aterrou em Lisboa há quatro anos, sem conhecer ninguém, “às cegas, seguindo apenas os meus sentidos”. “Visitei muitas propriedades até que finalmente encontrei o sítio ideal”, contou a milionária, que se define como uma serial investor, em entrevista ao DN/Dinheiro Vivo. O negócio não se fez esperar: “Em 30 minutos tomei a decisão de comprar e fiz uma oferta. Disse ao agente imobiliário que ia apanhar um avião para Istambul e que quando aterrasse queria uma resposta. Cheguei à Turquia, liguei o telemóvel e o negócio estava fechado.”.

O interesse em Portugal é grande e prova disso é a empresa de investimentos já criada no país para apostar ainda mais no imobiliário, mas não só. Na mira da empresária estão também as startups portuguesas, bem como novos espaços de coworking e também a recapitalização de PME com boas perspetivas de mercado. “No setor do imobiliário já fiz outros investimentos e neste momento estou à procura de propriedades maiores para renovar e gerir para as nossas marcas de turismo”, garante Ahu Büyükkusoglu Serter, que também não esconde o interesse em comprar um armazém nas zonas de Marvila ou Alcântara para dedicar a uma galeria de arte de grandes dimensões.

Fonte: DN

Imóveis: Melhora no mercado de alto padrão

22_luxo

Para Jerônimo Neto, 2o vice-presidente do Creci-CE, a tendência é que o mercado imobiliário melhore, principalmente dos de primeira linha. “O que a gente está vendo muito por aí, é as pessoas buscando um financiamento pelo Minha Casa, Minha vida, com imóveis de até R$ 300 mil. O mercado hoje está saturado com esse valor, porque esse tipo de cliente só vai sair do aluguel para um financiamento de 100 mil ou 200 mil, pagando uma parcela de R$ 1.500 a R$ 2.000, por exemplo. Esse recurso vai trazer de volta esse nicho de cliente que quer buscar recurso mais fácil para financiar seu imóvel”.

Júnior Melo, diretor comercial da Normatel Incorporações, conta que ainda é muito cedo para avaliar os impactos desta ação na economia, mas sem mantém otimista em relação ao aquecimento do mercado. “A gente não consegue mensurar o impacto disso ainda, pois não temos ideia do quanto será injetado na economia cearense. É diferente quando a Caixa libera R$ 10 milhões para a construção civil e, desse valor, uma parte vem para o nordeste, por exemplo. Mas nesse momento, que está todo mundo apertado, esse recurso será muito bem-vindo”.

Segundo o diretor, a mudança ainda não alterou o calendário comercial da incorporação, mas ele não descarta medidas de acordo com o potencial da demanda. “A gente já vem percebendo um movimento interessante no comércio, um amento da confiança do consumidor. À medida que fomos vendo uma movimentação mais forte, nada impede que utilizemos ações mais agressivas para atrair o cliente”.

Fonte: O Povo

Três pilares das casas de luxo podem desaparecer em 20 anos

15_luxo

(Bloomberg) — Algumas amenidades imobiliárias são eternas — uma vista panorâmica para o Central Park, por exemplo, ou um porteiro que sabe quem é seu motorista preferido. Outras, no entanto, podem ser surpreendentemente fugazes: o que hoje parece um must poderia desaparecer dos empreendimentos de amanhã. A seguir, três itens básicos e inesperados do mercado de imóveis de luxo que, segundo projeções de especialistas, poderiam se tornar obsoletos em breve.

O home theater

O mercado de home theater dos EUA chegou a US$ 1,4 bilhão em 2015, um aumento de mais de 50 por cento desde o mesmo período em 2010, segundo a Cedia, associação comercial para empresas de tecnologia doméstica. Claro que já não basta instalar uma tela gigantesca e um projetor digital: os verdadeiros cinéfilos podem construir sua própria sala Imax por US$ 1 milhão e assinar o Prima Cinema, um serviço estilo Netflix para a fatia de 1 por cento que aluga lançamentos por US$ 500.

Mas esse investimento poderia estar com os dias contados, pelo menos de acordo com o arquiteto Duan Tran, da KAA Design. “Nossos clientes estão pedindo ambientes de realidade virtual completamente envolventes porque eles estão muito ocupados e querem uma dose mais elevada de escapismo”, disse Tran em uma entrevista por telefone, de seu escritório em Los Angeles.

A suíte principal

Suítes enormes já foram o maior troféu de uma casa luxuosa, mas incorporações recentes vêm substituindo esses quartos sem paredes, estilo loft, por um complexo de câmaras privadas, montadas ao redor de um espaço menor e mais aconchegante que abriga apenas a cama. Roy Kim, da Douglas Elliman, usa como exemplo o Park Grove de Miami, projetado por Rem Koolhas. “Você verá uma antessala, como um estúdio ou uma biblioteca, além de um grande closed e um banheiro que parece um spa”, disse Kim em entrevista por telefone, da Califórnia. “As pessoas já não querem entrar sem cerimônia em uma suíte principal e ver a cama — criar privacidade nunca foi tão importante.”

Cozinhas de revista

De acordo com Jonah Disend, fundador da empresa de inovação Redscout, cozinhas complexas que ocupam um lugar central, assim como as suítes principais, são outra das amenidades que estão na lista das espécies em extinção nas casas de alto nível. Em parte, isso se deve a que os serviços de entrega como Blue Apron ou Amazon Prime Now vão minimizar a necessidade de armazenar qualquer coisa além do indispensável, junto com novas amenidades como cozinha centralizada e catering dentro de um empreendimento imobiliário. Um exemplo é o 432 Park Avenue, de Rafael Viñoly, onde Shaun Hergatt, chef premiado com estrelas Michelin, vai comandar um restaurante exclusivo para os moradores, oferecendo o suprassumo das comidas de luxo para levar.

Fonte: UOL

Saiba tudo sobre o novo momento do Turismo de luxo

30_turismo

O conceito de luxo mudou no Turismo. Tendências vêm e vão, e agora o momento é totalmente das experiências, do sentido, da lealdade e até do amor. A última edição da ILTM Cannes mostrou que a riqueza dos tempos antigos não faz mais parte do universo das viagens de alto padrão. Expositores e compradores brasileiros estiveram presentes na feira mais importante do segmento, na França, e o Jornal PANROTAS dessa semana aponta que experiências são essas que os players do luxo tanto têm procurado para seus clientes.

Por falar em experiências e em luxo, o JP 1.251 também traz um lindíssimo roteiro de vinho no Vale do Colchagua. O enoturismo nunca sai de moda, e o Chile, tão perto e com boa conexão aérea, é um destino perfeito para apreciar belas paisagens e curtir, no sentido completo, um bom vinho. Desde a história da bebida à sua fabricação, veja o que o Vale do Colchagua oferece de melhor em termos de vinhos, paisagens e cultura.

Também nesta edição:

– CVC de R$ 9 bilhões: como foi 2016 para o grupo, que comprou a Experimento nos últimos dias de 2016;

– MSC Cruzeiros já de olho na temporada 2017/2018; Armadora promete novidades;

– Verão na Argentina: confira as principais dicas para curtir o calor do destino;

– Entrevista com o ministro do Turismo, Marx Beltrão;

– A movimentação de mercado no Surface, PANROTAS Corporativo e muito mais.
O JP 1.251 começa a circular nessa semana nas principais operadoras e agências de viagens de todo o Brasil, mas você pode acompanhar a versão digital completa abaixo. Boa leitura.

 

Fonte: PANROTAS

FAAP abre inscrições para o curso “Revistas de Luxo: o fascinante mundo da mídia AAA”

REVISTASDELUXO

Estão abertas as inscrições para o curso livre “Revistas de Luxo: o Fascinante Mundo da Mídia AAA”, na Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP). As aulas começam em 2 de setembro e falarão sobre as revistas mais famosas desse mercado, como Wish, Robb Report, IstoÉ Platinum. E também sobre revistas eletrônicas e sites especializados, como o Terapia do Luxo.

Público Alvo

Leitores e leitoras de revistas feitas para o público AAA;
Universitários (as) que desejem atuar no setor de varejo de luxo;
Empresários (as) e comerciantes que queiram saber mais sobre esse segmento de mídia.

Professora: Sara Duarte

Formada em Jornalismo pela PUC-SP, trabalha como profissional de revistas desde o ano 2000. Já atuou em publicações como Veja São Paulo, IstoÉ e Época. Atualmente é aluna do Doutorado em História Social na Universidade de São Paulo (USP) e leciona as disciplinas História da Comunicação e Teoria da Comunicaçãona graduação da FMU-FIAM-FAAM e na pós-graduação do Centro Universitário Belas Artes.

Serviço:
CURSO REVISTAS DE LUXO: O FASCINANTE MUNDO DA MÍDIA AAA
02 de setembro a 25 de novembro/2013 (segundas)
19h às 22h
12 aulas | 36 horas

Investimento Total:
Público externo: 4 parcelas de R$ 275,00
Comunidade faapiana: 4 parcelas de R$ 247,50

Mais informações:
www.http://www.faap.br/nucleocultura/2013/revistas_luxo.asp
(11) 3662-7034 e nucleocultura@faap.br

Fonte: Terapia do luxo